segunda-feira, 17 de dezembro de 2018

Vegetarianismo: Um Retorno ao Eden ou uma Entrada para a Nova Era ?


Paulo advertiu contra o engano na apostasia do final dos tempos "Mas o Espirito expressamente diz que nos últimos apostatarão alguns da fé, dando ouvindo a espíritos enganadores, e a doutrinas de demônios, pela hipocrisia de homens, que falam mentiras, tendo cauterizado a própria consciência, proibindo o casamento, e ordenando a abstinência de alimentos" (I Timóteo 4:1 a 3) Aqui nesse texto, fica claro alguns fatos, primeiro: a existência de espíritos enganadores e doutrinas de demônios, Segundo: esses espíritos usariam homens hipócritas para promoverem suas doutrinas e terceiro: Ordenariam abstinência de alimentos. A bíblia proíbe o consumo de carne? ou precisamos rever  nosso sistema de alimentação e adotar o vegetarianismo como regra fundamental na nossa vida?

A teosofia e o movimento nova era promoveram o vegetarianismo como estilo de vida, o cultismo tem se mostrado muito favorável a vegetarianismo (1) Kardec parece ter recebido orientações dos espíritos sobre esse assunto, fato que leva alguns a concluírem que o vegetarianismo evita sacrifício de animais e isso contribui para a expiação (Na visão espiritualista: Uma melhor reencarnação) por esse motivo, também é favorável (2). Quero me deter somente na Bíblia, pois ela é minha fonte de autoridade e creio na suficiência das Escrituras para aclarar os fatos. Tendo em vista que o vegetarianismo foi muito promovido pelo esoterismo que sempre permeou o movimento nova era, agora é muito popular e tem se infiltrado dentro da cristandade. Embora uma dieta vegetariana em nada compromete a questão espiritual em si, e isso Paulo foi muito enfático em Romanos 14:2 "Porque um crê que de tudo pode comer, e outro, que é fraco, come legumes" Havia essa disputa na igreja de Roma, a questão se ser ou não vegetariano, essa era a dificuldade teológica daquela época, Paulo vai tratar desse assunto no Capitulo 14:1 a 4, e pelo fato de associar fraqueza espiritual com a pratica do consumo de legumes somente, deve ser levada em conta. Alguns tendem a associar a espiritualidade com a dieta de Daniel que não quis consumir os manjares do Rei, optando por uma dieta vegetariana. é claro que todo o contexto nos leva a concluir que a escolha de Daniel não foi por causa de do consumo de carnes, porque os judeus consumiam, ainda que dentro da dieta restrita de levítico, o que deve ser levado em conta era que as iguarias estavam vindo de animais sacrificados aos demônios.(Daniel 1:12 a 16 com I Corintios 10:20). Adventistas por exemplo aderem o que se chama de "reforma da saúde", pode até existir uma verdadeira boa intenção nessa causa, meu proposito porem não é observar isso, pois no ocultismo, muitas das vezes verifiquei que o motivo pelo qual muitos adotaram o vegetarianismo eram por propósitos elevados, mas isso não justifica posicionar-se contra a heresia de que consumir carne recorre em pratica pecaminosa. A bíblia não corrobora isso. Após o dilúvio, o homem entra em um novo estagio existencial, o próprio Deus que jamais pode errar e muito menos mentir, orienta Noé sobre a dieta alimentar, e Ele não determina uma dieta estritamente vegetariana, o padrão da dieta humana inclui o consumo de carne (Gênesis 9:3) Até então a expressão "Tudo o que se move" refere-se a todos os animais, só posteriormente e depois da saída do Egito, as prescrições levíticas vão ser estabelecidas, embora as distinções tenham sido estabelecidas antes(Gênesis 7:2) Em Êxodo 16, mais uma vez vimos como Deus envia codornizes para alimentar o povo. Nada na bíblia indica o contrario, interpretar a bíblia do modo claro que ela está sobre esses assuntos evita confusão e opiniões subjetivas. Quando chegamos a Levítico 11:1 a 47, então entram as prescrições que determinam quais tipos de carne devem ser consumidos. Isso é completamente diferente da ordem dada a Noé em Gênesis 9:3. Comer peixes, era uma atividade de Cristo mesmo após a ressurreição (Lucas 24:42 e 43) Na celebração da Pascoa, é obvio que Cristo comeu a carne de um cordeiro sacrificado, pois era comum essa celebração entre os judeus e a carne do cordeiro era parte desse cerimonial (Lucas 22:13 com  Hebreus 11:28) em sua para bola do Filho prodigo, a ordem santa da reconciliação, o encontro do filho perdido com o pai, é seguido de uma celebração "Veio o teu irmão, e teu pai matou o bezerro  cevado, porque recebeu são e salvo"(Lucas 15:27) Isso ilustra a santidade da reconciliação diante da morte de um animal como simbolo de expiação, tal como ocorreu no jardim do Éden, onde um animal é sacrificado em prol do bem estar do homem. Nada disso indica pecado grave, Jesus Cristo jamais pode usar exemplos impios para revelar coisas espirituais preciosas. A festa da celebração do encontro tinha como o centro, o anel e o bezerro morto para consumo, entender isso é de grande importância, porque essas coisas estão dentro da esfera da vida cristã. A recém igreja precisava de uma estruturação doutrinaria, uma vez que ela estava emergindo do sistema judaico, precisava rever o que mudaria nos aspectos doutrinários, "Porque, mudando-se o sacerdócio, necessariamente se faz também mudança da lei"(Hebreus 7:12) A igreja saiu do sistema de sacerdócio da Torá e entra para o sistema do sacerdócio de Melquisedeque, onde Cristo tona-se o Sumo Sacerdote eterno: "Tu és sacerdote eterno, segundo a ordem de Melquisedeque"(Hebreus 7:21) Assim no capitulo 15, no concilio de Jerusalém, a resolução foi que a igreja deveria se abster das coisas sacrificadas aos ídolos, do sangue, da fornicação e da carne sufocada (Atos  15:29) veja que a proibição para os santos, era que não consumissem sangue, carne sacrificada aos ídolos e carne sufocada. Mas não eram vegetarianos, a igreja primitiva não era vegetariana, o Espirito Santo não conduziu a igreja por tal caminho. Paulo faz a advertência em I Timóteo 4 por causa de um movimento herético, o gnosticismo.(3)  Muitos deles eram rigorosamente ascetas e adotaram a dieta do vegetarianismo, proibiam o casamento e viviam as margens da fé cristã. Não é de admirável que Paulo associe essas tendencias com espíritos enganadores? É dentro desse contexto que deve ser lido I Corintios 10:25: "Comei de tudo o que se quanto se vende no açougue, sem perguntar nada, por causa da consciência" note que (Açougue nessa passagem é a tradução da palavra grega Makellon, mercado onde se vende carne). Uma vez que estamos mergulhando nesse tema, precisamos reiterar as decisões tomadas em Atos 15. Creio que a abordagem de Paulo no seu contexto geral aborde isso. Questão de consciência; "Ninguém vos julgue pelo comer..."(Colossenses 2:16) mas porque? "Assim também vos estais sem entendimento? não compreendeis que tudo o que de fora entra no homem não o pode contaminar. Porque não entra no seu coração, mas no ventre, e é lançado fora, ficando pura todas as comidas?"(Marcos 7:18 e 19) Então a carne sufocada e a comida sacrificada aos ídolos é mais por questões éticas do que rituais. Porque comendo carne sacrificada aos ídolos, se está consumido coisas consagradas ao diabo, de propriedade dele e com relação a carne sufocada, entende-se por estrangulamento. Ao invés disso, quando o animal é morto através de um objeto cortante, corta-se a veia carótida e todo o sangue escoa, dessa forma evita-se o consumo do sangue. Apenas desejo apontar para o fato do consumo da carne permitido pelo Novo Testamento, como uma dieta permitida por Deus e consolidada na fé cristã histórica. Agora voltamos para I Timóteo 4. No versículo 4 Paulo ensina: "Porque toda criatura de Deus é boa..."e então no versículo 5: "Porque pela Palavra de Deus e pela  oração é santificada". O consumo de carne é permitido em seus mais variados aspectos, sendo que algumas restrições colocadas sobre o tipo ou como devem ser consumidas, não interferem no caso. Isso está claramente exposto nas Escrituras. Visto por outro angulo, também a enfase é dada sobre o alimento espiritual que vamos consumir Nem só de pão vive o homem, mas de toda a Palavra que procede da boca de Deus (Mateus 4:4) Pedro adverte que não devemos nos alimentar de leite falsificado (I Pedro 2:2) e o autor aos hebreus fala sobre o alimento solido para os maduros na fé (hebreus 5:13 e 14) o reino de Deus não comida e nem bebida (Romanos 14:17).  O que provocou a queda foi a desobediência do primeiro casal, e ela foi provocada pelo consumo de uma fruta (Gênesis 3:2 e 3) ou seja, a queda está ligada á uma especie de vegetarianismo proibido. É logico que não foi a dieta em si, a arvore do conhecimento do bem e do mal, no transcorrer do contexto,  produzia um fruto literal, tomar do fruto da arvore foi a desobediência que implicou na queda, de qualquer forma, veja que o primeiro pecado consistiu em comer um fruto que era proibido. Vários exemplos podem ser citados na bíblia, onde santos consomem carne vermelha : Isaque (Gênesis 25:28) Abraão (Gênesis 18: 6 a 8) etc. Devemos entender que o consumo de carne não é uma escolha do homem, foi uma orientação divina (Gênesis 9:3 e 4) Assim enquanto que o fruto de uma arvore está ligado a queda, o cordeiro assado está ligado a redenção (Êxodo 12:8) percebe-se que há uma oposição espiritual muito forte sobre esse assunto, pois de outra forma, como Paulo poderia associar toda essa questão com espíritos enganadores e doutrinas de demônios?.(4)  Eis porque entendemos que o vegetarianismo tem sido promovido pela religião holística da nova era, porém se faz necessário  afirmar que a Bíblia não proíbe o consumo de carne, no decorrer da historia do povo de Deus, o Espirito Santo nunca errou em conduzir os santos para em direção a vontade de Deus

(1) https://www.vegetarianismo.com.br/vegetarianismo-e-ocultismo-cw-leadbeater/
(2)https://espirito.org.br/artigos/espiritismo-e-vegetarianismo-3/
(3)https://banneroftruth.org/us/resources/articles/2016/gnosticism/
(4) Um excelente livreto escrito por Raymond Blanton pode ser lido online em:http://www.balaams-ass.com/journal/housechu/vegechur.htm


Autor: Clavio J. Jacinto

sábado, 15 de dezembro de 2018

Obras e Graça


O caminho da graça e da verdade, é viável para os humildes de coração. Nosso grande problema é tecer todo um vestido de justiça própria com adornos de nossos méritos, para tentar convencer a todos de que somos religiosos aperfeiçoados por uma moral sofisticada e boas obras lapidadas por nosso zelo ritualístico. Tais atitudes levam o homem a auto-idolatria. Raro é voce encontrar um homem santo que confere a Cristo todos os méritos da salvação. É verdade! a graça não é compreendida pela maioria das pessoas que professa a fé cristã, é  uma luta tremenda negar-se a si mesmo e confiar na obra perfeita e consumada de Cristo. Precisamos nos aproximar mais e mais da obra de Cristo, depender mais e mais da graça de Deus que se manifestou em Cristo para a nossa salvação.


“Todos os meus trabalhos são marcados pelo pecado e pela imperfeição. Quando penso em todos os atos que já fiz para Deus, só posso gritar: Oh, Deus, perdoa a iniquidade de minhas coisas santas ”. Jerry Bridges, em: O Poder Transformador Do Evangelho

Cristo era Perfeito?

Um erro comum hoje em dia, é atribuir a Cristo uma natureza pecaminosa. Acreditam alguns que Cristo de fato assumiu uma natureza de pecado. Essa confusão é fruto de uma falta de atenção sobre o que a bíblia diz a respeito de Cristo. O fato é que Cristo era completamente perfeito e santo, do começo até o fim da sua vida terrena, da manjedoura até a cruz, da sua ressurreição até sua ascensão, e assim será eternamente como foi antes (João 8:58) . Cristo veio na plenitude dos tempos (Gálatas 4;4) “Mas corpo me preparaste” (Hebreus 10:5) por ter sido gerado pelo Espírito Santo, foi totalmente santo. Se Cristo não nascesse e vivesse debaixo de uma natureza completamente santa, então seria igual a Adão depois da queda, pelo fato de ser gerado pelo poder de Deus como foi Adão antes da queda, tem o corpo puro, igual Adão antes de cometer pecado. Por isso ele é chamado de o ultimo Adão (I Coríntios 15:45) porque a vida de Cristo era perfeitamente santa em todos os sentidos, não possuía a natureza pecaminosa, possuía a natureza humana tal como era antes do pecado “E o Verbo se fez carne, e habitou entre nós, e vimos a sua glória, como a glória do unigênito do Pai. Cheio de graça e de verdade” (João 1:14 compare com I Timóteo 3;16) que Ele era puro e santo, não contaminado com o pecado, se faz notório esse fato, porque não há variações na sua natureza perfeita “Jesus Cristo é o mesmo, ontem, e hoje e eternamente”(Hebreus 13;8). Ora Ele é perfeito e puro agora, assentado a destra de Deus (Hebreus 1;3) como foi noutro tempo quando nasceu e veio a este mundo (Lucas 2:1 a 20)
Cristo é perfeito, puro, imaculado, do começo ao fim da sua vida manteve essa natureza santa. Veio para morrer por nós (João 12:27) Segue que havia um tipo espiritual aplicado ao cordeiro da expiação, deveria ser sem mancha (Êxodo 12:5) isso aponta para a perfeição do cordeiro de Deus. Assim Ele pode aniquilar o pecado pelo sacrifico de si mesmo (Hebreus 9:26) assim como a sua obra é consumada e perfeita, porque não somente o sacrifício foi perfeito, mas também era Aquele que se deu em sacrifício. (Hebreus 7:28) Assim, é notável que Jesus Cristo tenha uma característica tripla para entregar-se como oferta voluntaria em uma expiação por nossos pecados: deveria ser Santo, Inocente e Imaculado (Hebreus 7:26) Note que esses três aspectos abrangem o homem na sua totalidade. Homem algum depois da queda pode chegar a esse estagio de ser simultaneamente Santo, Inocente e Imaculado. Só Cristo, porque Ele é perfeitamente puro, sempre foi e sempre será! Assim, o Novo Testamento brada com um testemunho solido e inquestionável “Como um cordeiro Imaculado e incontaminado” (I Pedro 1:19) note mais uma vez que há uma ênfase dupla: Imaculado e Incontaminado, ou melhor: Completamente puro e perfeitamente santo. Da sua vida, reflete a sua natureza perfeita: “Não cometeu pecado, nem na sua boca se achou engano” (I Pedro 2:22) Portanto é mui exato considerar que foi feito sua encarnação segundo a virtude da vida incorruptível (Hebreus 7:16) Não há qualquer duvida, a obra foi consumada e perfeita porque Cristo era completamente perfeito (Hebreus 10:10). Ainda que vivendo por mais de trinta anos entre os mortais pecadores, o Verbo que se fez carne viveu uma vida perfeita, com uma natureza humana perfeita, e isso atesta as Escrituras com toda a força de expressão “Em tudo foi tentado, mas sem pecado’(Hebreus 4:5) “E nele não há pecado” (I João 3:5) Que Cristo tomou os nossos pecados, obtendo uma eterna redenção, porque através de uma sentença de morte, tomou o nosso lugar, e numa morte substitutiva, cumpriu a penalidade que era totalmente nossa, levando completamente a maldição de nossos pecados sobre si (Gálatas 3:13) “Levando ele mesmo em seu corpo os nossos pecados sobre o madeiro, para que, mortos para os pecados, pudéssemos viver para a justiça; e pelas suas pisaduras fostes sarados” (I Pedro 2:24) O crédito da redenção oferecida pela morte de Cristo na cruz está no fato de que ele era perfeitamente santo em todos os aspectos. “Mas este, havendo oferecido para sempre um único sacrifício pelos pecados, está assentado a destra de Deus” (Hebreus 10:12)

Autor: Clavio J. Jacinto

Sacrificio


Coração Vazio


Evangelho e Avareza


Linha Certas


Em Santa Humildade

Pelo caminho da mais santa humildade, o Cordeiro de Deus veio como um homem perfeito, viveu uma vida perfeita, morreu em um sacrifício perfeito, obteve uma vitoria absoluta, está preparando uma morada perfeita, voltará na consumação das eras, esse será um um retorno para trazer verdadeira justiça aos homens, e aqueles que creem nesses fatos, estão vivendo dia após dia uma perfeita esperança. (Clavio J. Jacinto)

quarta-feira, 12 de dezembro de 2018

Coletanea de Frases 10









A FÉ CRISTÃ E O NIILISMO- Buscando Um Sentido Real para a Vida Através do Senhor Jesus Cristo


A FÉ CRISTÃ E O NIILISMO- Buscando Um Sentido Real para a Vida Através do Senhor Jesus Cristo


O Niilismo foi um movimento filosófico que teve Nietzsche como profeta principal. A idéia do niilismo era a redução ao nada, o aniquilamento da existência, essa teoria filosófica argumentava a inutilidade das crenças religiosas. Paulo já alertava sobre essas filosofias perversas “Tende cuidado para que ninguém vos faça presa sua, por meio de filosofias e vãs sutilezas, segundo a tradição dos homens, segundo os rudimentos do mundo, e não segundo Cristo” (Colossenses 2:8) O salmista, no entanto entrou na esfera da realidade espiritual da verdade, ele declarou: “As tuas mãos me fizeram e me formaram, dá-me inteligência para entender os teus mandamentos” (Salmos 119:73) Ele percebeu a soberania divina sobre a criação “Ó Senhor, quão variadas são tuas obras! Todas as coisas fizestes com sabedoria; cheia está  aterra das tuas riquezas (Salmos 104:24) É claro que o niilismo está completamente fora da realidade espiritual, está fora da cosmovisão e da esperança da fé cristã bíblica. “Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo que, segundo a sua grande misericórdia, nos gerou de novo para uma viva esperança, pela ressurreição de Jesus Cristo dentre os mortos” (I Pedro 1:3) A libertação da verdade não vem da filosofia e das crenças, ela vem de uma pessoa. Quando Cristo diz: Eu sou a verdade (João 14:6 Grego Aletheia) ele estava afirmando ter a verdadeira realidade, assim também afirmou Ele que o conhecimento da verdade (realidade) liberta (João 8:32 Aletheia) O niilismo pode estar certo quando o assunto é falsas crenças, parte do que vimos ser "fé cristã" atualmente é combustível para as filosofias dos incrédulos, que não conseguem ler o evangelho pelo estilo de vida que levam e os escândalos que promovem.  Abordando as cosmovisões e assumindo o fato de que o engano avança sobre a sociedade, James Sire admite: “A cristandade moderna, com suas igrejas hipócritas e sua falta de compaixão, é um testemunho pobre da vitalidade do teísmo”(O Universo ao lado Pagina 159 e 160) A falsa religião, e isso inclui o falso cristianismo, será reduzido a nada, As Escrituras falam a respeito dos verdadeiros: "Como está escrito: “Eis que ponho em Sião uma pedra de tropeço e uma rocha de escândalo; mas aquele que nela confia jamais será envergonhado!” e dos falsos:"E, quem cair sobre esta pedra, despedaçar-se-á; e aquele sobre quem ela cair ficará reduzido a pó. (Mateus 21:44) A falsa fé será reduzida a nada, tudo no final da historia terá Cristo no centro (Efésios 1;10) e todos os movimentos marginais e independentes desse centro serão reduzidos a nada. “Mas os céus e a terra que agora existem pela mesma palavra se reservam como tesouro, e se guardam para o fogo, até o dia do juízo, e da perdição dos homens ímpios” (II Pedro 3:7 veja também II Tessalonicenses 1:8) Os ímpios, incluindo os promotores de vãs filosofias, terão que se curvar perante Cristo (Filipenses 2:10) e serão levados ao juízo do fogo eterno (Apocalipse 21:8) nem mesmo as palhas produzidas por boas intenções serão poupadas (I Corintios 3:11 a 15) Ao invés de sermos levados por ventos de doutrina, precisamos entender que todo o mover-se do verdadeiro cristão precisa ser para dentro das Escrituras (A palavra "praticante" em Tiago 1:22 é "genomai" e nos remete a idéia de mergulhar para dentro das Escrituras.) Seu foco é viver Cristo, é olhar para Cristo como um destino existencial, uma meta a alcançar em caráter e esperança (Gálatas 2:20 e Hebreus 12:2). Enquanto que o niilismo precisa viver à custa das falsas crenças para celebrar seu apocalipse de reducionismo aniquilacionista, a fé bíblica verdadeira que tem como fundamento uma Pessoa no sentido mais exato da palavra, está sustentada por verdades atemporais e eternas (I Coríntios 3:11) A fé cristã está alicerçada em uma pessoa eterna, no Verbo que se fez carne, a verdade de Cristo é sua Pessoa eterna.”Eu sou o Alfa e o Omega, o princípio e o fim, diz o Senhor, que é, e que era, e que há de vir, o todo-poderoso”(Apocalipse 1:8) Os que não crêem na preexistência de Cristo e na sua divindade, acabam reduzindo a verdade que Ele declara ser, á uma crença falsa subjugada a fragilidade da criação caída, que perverte a compreensão do sentido da vida (Veja I Timoteo 6:5  e II Timoteo 3:8). João, que em sua época estava batalhando contra os gnósticos,escreveu “E Sabemos que já o Filho de Deus é vindo, e nos deu entendimento para que conheçamos ao Verdadeiro; e no que é verdadeiro estamos, isto é, em seu Filho Jesus Cristo. Este é o verdadeiro Deus e a vida eterna”(I João 5:20) Para que uma verdade seja eterna, precisa ser sustentada por uma Pessoa que tenha as mesmas características, de outra forma, será reduzida a dependência de homens. Cristo é a realidade “Tu és sacerdote eternamente”(Hebreus 2:17) e outra vez diz: “Tu és sacerdote eternamente.” (Hebreus 2:21) e então conclui: “Ministro do santuário, e do verdadeiro tabernáculo, o qual o Senhor fundou, e não o homem”(Hebreus 8:2) De que modo devemos olhar pra tudo isso? Devemos ver a fé cristã com a sua essência de ser algo que compete com as coisas eternas e não temporais. O foco não é o agora fracionado e as coisas condenadas a destruição pelo fogo, As coisas eternas do evangelho não estão sujeitas a entropia do universo, as coisas desse mundo sim! a fé verdadeira e espiritual não é desse mundo, não está focada nesse mundo e não se interessa pelas coisas desse mundo, ela está fixa nos valores eternos, concentra-se naquele que faz novas todas as coisas e sustenta todas as coisas com o seu poder. (Hebreus 1:3) esse deve ser o nosso foco. O niilismo espera ver tudo ser arruinado pelo acaso cego, para os niilistas, o que resta é uma vida que termina em nada, para um cristão a vida começa em Cristo e move-se para a eternidade com propósitos, mas como podemos convencer os incrédulos que empacotaram o seu desespero existencial com as lindas embalagens da filosofia intelectual? É muito difícil convencer os outros que amar a lama da terra das vaidades é um ato livre de quem se libertou da sujeira do mundo caído. Vivemos Nesses dias de confusão extrema, onde a falsa ciência “Guarda o deposito que te foi confiado, tendo horror aos clamores vãos e profanos e as oposições da falsamente chamada ciência” ( I Timóteo 6:20) a nós resta apenas a exortação paulina “Tem cuidado de ti mesmo e da doutrina, persevera nessas coisas.” ( I Timóteo 4:16)




Autor: C. J. Jacinto 

claviojj@gmail.com



terça-feira, 11 de dezembro de 2018

Normas Para o Progresso Espiritual





"A Vida cristã é um crescimento em direção a vontade de Deus, qualquer sentido oposto a isso, é decadencia"

O crescimento espiritual é uma evidencia fundamental  do novo nascimento, não pode existir uma nova criatura em Cristo (II Coríntios 5:17) sem um crescimento espiritual evidente, pois é o Senhor Deus Todo Poderoso que nos dá através da graça e do poder do Espírito Santo, a possibilidade desse crescimento (I Coríntios 3:7). Desde tempos remotos, o crescimento espiritual é uma marca distinta dos justificados, Salomão ensinou que a vereda dos justos é como a luz da aurora que brilha mais e mais até ser dia perfeito (Provérbios 4:18). Uma vez que o cristão é aquele que segue os passos de Cristo (I Pedro 2:21) a bíblia testifica que Cristo crescia em graça e sabedoria (Lucas 2:52), segue a norma, o cristão sábio ouvirá sobre os princípios e todo o conselho de Deus (Atos 20:27) “O Sábio ouvirá e crescerá em conhecimento”(Provérbios 1:7) eis porque é de suma importância que um cristão procure se congregar em uma igreja onde se pregue toda a bíblia, exorte,  admoeste, ensine, corrija, oriente e aconselhe, pois de outra forma não obterá alimento solido, mas leite falsificado. Trata-se de uma decisão vital unir-se á uma igreja bíblica, esta é a norma para não recorrer na sentença de errar por não conhecer as escrituras (Mateus 22:29) lembre-se da advertência de Salomão: “Os loucos desprezam a sabedoria e a instrução” (Provérbios 1:7). O cristão verdadeiro segue sempre as ordens de Pedro, desejar e procurar o leite racional não falsificado (Leia I Pedro 2:2) que possamos atentar para as coisas que promovem nosso crescimento espiritual, que o Senhor ilumine o nosso coração para  compreendermos tão sublime verdade “Porque tu acencederás a minha candeia, e o Senhor meu Deus iluminará as minhas trevas”(Salmos 18:28)
O crescimento espiritual tem um centro onde convergem todas as coisas sagradas: o próprio Senhor Jesus Cristo. João Batista, na sua vida orientada por princípios espirituais elevados assim procedeu: “è necessário que ELE cresça e eu diminua” (João 3:30) sem a diminuição do próprio eu, não poderemos seguir no crescimento da fé, pois Paulo ensina que o propósito do crescimento espiritual é para viver para a glória de Deus “Porque dele e por ele e para ele são todas as coisas, glória pois a ele eternamente amém”(Romanos 11:36) Todo o crescimento precisa ter o foco a glória do evangelho de nosso Senhor Jesus Cristo, todo o crescimento que envolve mais o homem e menos a Cristo é falso,  “Seguindo a verdade em amor, cresçamos em tudo naquele que é a cabeça, Cristo” (Efésios 4:15)
O crescimento espiritual tem uma regra básica, ouvir e praticar a palavra de Deus (Tiago 1:22) de nada adiante ter conhecimento sem pratica, a bíblia é um livro objetivo, o homem prudente, disse Jesus, que coloca os fundamentos sobre a rocha, é aquele que ouve a Palavra de Deus e as pratica (Mateus 7:24) É quando ouvimos a palavra de Deus em sermões expositivos e doutrinários, quando estudamos com dedicação as Escrituras que realmente receberemos uma  lavagem “Purificando-a com a lavagem da água, pela palavra”(Efésios 5:26) Jamais devemos tentar servir ao Senhor na vaidade de nossa mente (Efésios 5:17) mas “somente deveis portar-vos dignamente conforme o evangelho de Cristo” (Filipenses 1:27)

"A Vida cristã tem o proposito de nos colocar mais perto da cruz para nos separar completamente da vida de pecado"

O crescimento espiritual exige uma determinação firme, Paulo disse que deveria se esquecer das coisas que para trás ficam, para seguir o caminho da plenitude cristã  “prossigo para o alvo, pelo premio as soberana vocação de Deus em Cristo Jesus (Filipenses 3:14) Isso implica a perda de coisas fúteis para a aquisição de conhecimento espiritual e pratico de valor incalculável (Veja o exemplo de Paulo em Filipenses 3:8) O progresso cristão é uma soma de valores novos e eternos  e uma perda de coisas temporárias, que não atribuem a nós nenhum beneficio eterno, em outra parte Paulo fala sobre esse processo de forma mais profunda “Purifiquemo-nos de toda a imundície da carne e do espírito aperfeiçoando a santificação no poder de Deus (II Coríntios 7:1) assim entendemos que o processo de crescer na graça e no conhecimento de nosso Senhor Jesus Cristo (II Pedro 3:18) requer a morte de nosso egoísmo e o surgimento de virtudes que florescem no terreno santificado da humildade. Assim a vida espiritual tem três movimentos distintos: 1) retrocesso (Lucas 9:62)  2) Estabilidade (Hebreus 13:8) e 3) Progresso (I Tessalonicenses 4:1).  A estabilidade é a vida edificada sobre a rocha que pode suportar o acréscimo de mais elementos, ou seja, só a estabilidade espiritual pode das condições de crescimento espiritual, a produção de virtudes novas e a frutificação espiritual. Veja que em I Pedro 1: 5 a 11 existem esses acréscimos de virtudes após virtudes. Assim entremos no próximo nível:
O crescimento espiritual tem um processo muitas vezes doloroso, em sua segunda carta aos tessalonicenses Paulo declara: “A vossa fé cresce muitíssimo e o amor de cada um de vós aumenta de uns para com outros”( II Tessalonicenses 1:3) Como esse crescimento espiritual se processa? O próprio contexto responde a isso, suportando as dificuldades com paciência, perseguições aflições, padecimentos e tribulações (Veja I Tessalonicenses 1:4,5,6)  O justo em Salmos 1:3 é comparado a arvore plantada junto a ribeiro de águas. Uma arvore é uma planta que processa crescimento “Porque a terra por si mesma frutifica, primeiro a erva, depois a espiga, por ultimo o grão cheio da espiga” (Marcos 4:28) assim o crescimento espiritual alcance seu propósito final numa vida que glorifica a Deus através dos frutos que produz: Fé, amor, gozo, paz , longanimidade, bondade, benignidade, mansidão e temperança (Gálatas 5:22). Muitas vezes isso requer um custo muito alto “Na verdade, na verdade vos digo que, se o grão de trigo, caindo na terra, não morrer, fica ele só; mas se morrer, dá muito fruto”(João 12:24) Assim, voltemos a declaração de João Batista que anunciou a diminuição de si mesmo para que Cristo viesse a crescer na sua vida (João 3:30)  Somos chamados a crescer e frutificar, o fruto é aquela parte da arvore que só traz beneficio aos outros, a arvore não pode se alimentar de seu próprio fruto, não usufrui da doçura e do sabor dos frutos que ela mesma produz, são os outros que receberão dos benefícios da frutificação. A verdadeira vida espiritual fruto do crescimento sadio não promove o próprio cristão aos patamares do sucesso mundano, os frutos verdadeiros serão bênçãos com propriedades espiritualmente nutritivas para abençoar o nosso próximo e os irmãos na fé, e assim viveremos para a glória de Deus e não para a satisfação egoísta de receber gloria dos homens. “estai em mim e eu em vós” disse Jesus (João 15:4) Se você cresce e frutifica, entendera o processo da dor, aflições e padecimentos que precisa enfrentar,  pois Cristo, o Senhor assim fará “Toda a vara em mim, que não dá fruto, a tira; e limpa toda aquela que dá fruto, para que dê mais fruto ainda”(João 15:2) Assim entendemos que o processo de limpeza segue o caminho da purificação moral e espiritual, e Cristo fará isso em nós, como disse certo pregador puritano: “ É melhor ser podado para crescer, do que ser cortado para queimar”. 

"Quanto mais um homem cresce em santidade, mais ele tende a diminuir-se por causa da humildade que não pode operar a parte da autentica santidade"

Amém


Clavio J. Jacinto



A Harmonia e o Caos


Há uma desordem dentro da ordem, uma consequência do pecado. Que o universo não pode ser obra do acaso, é um fato, que a desordem é um problema também é. Porém o sofrimento não é um enigma a ser decifrado, mas uma verdade a ser aceita. Há algo errado com o mundo. A eternidade sofreu um lapso, e aqui estamos. Há um gemido universal da criação. A estrutura do cosmos é magnifica, a sincronização das coisas é admirável, mas há esse negocio de caos, uma desordem provocado por causa de um efeito profundo na criação, e o que causa isso é o pecado.  Isso é provocante para nossos dias, a vertente intelectual moderna não aceita isso, mas chegará um tempo, quando se esgotarem as teorias filosóficas, quando chegarem ao fundo do poço, ainda que seja num ultimo suspiro, o homem dirá que a Bíblia tinha razão.


Clavio J. Jacinto

Falta de Discernimento


O que a fé não é


Sobre a Felicidade


Inquietações


Sobre Ansiedade e Fé


Falhas e Defeitos


sexta-feira, 7 de dezembro de 2018

Socialismo Cristão?




SOCIALISMO CRISTÃO?


O comunismo deixou marcas profundas nos russos ao ponto de muitos considerarem essa filosofia e a do nazismo como verdadeiras forças do inferno, e de fato, qualquer um que prossiga nas pesquisas descobrirá o impacto  que o socialismo deixou na Rússia e onde quer que tenha predominado por algum tempo. Um pesquisador Russo,  L. Volodsky,  asseverou: “O trágico século XX é marcado por dois fenômenos que marcaram época na história do mundo - primeiro, o comunismo, que transformou a Rússia livre em um país escravizado por forças verdadeiramente infernais. A segunda tentativa de chamar forças demoníacas do abismo foi o Terceiro Reich da Alemanha nazista.”(1). Que os Gulags e os campos de concentração falem por si mesmos. Mas se o socialismo é um problema para a humanidade, porque muitos simpatizam com ele e porque milhões acreditam ser o socialismo a “salvação” da humanidade? Richard Wurnbrand disse acerca de Karl Marx : “Marx era um inimigo confesso de todos os deuses, um homem que comprara uma espada do príncipe das trevas pelo preço de sua alma. Declarara como seu objetivo arrastar toda a humanidade para o abismo, e seguir após ela, gargalhando” (2) O autor dessa declaração viveu a sua vida dentro do regime comunista, enfrentou a perseguição severa e viu igrejas sendo destruídas e cristãos sendo martirizados, mas então porque hoje, tantos cristãos flertam com o marxismo e apóiam a ideologia socialista? Prefaciando a obra “O Livro Politicamente Incorreto da Esquerda e do socialismo”, o Jornalista Guilherme Fiuza afirmou: “O socialismo já apanhou tanto da história, que inventariar os seus podres pode parecer chute em cachorro morto. O problema é que o fantasma do cachorro está vivo. E morde”. (3)
O  que é Socialismo?
O socialismo é uma ideologia utópica  política e econômica que defende a coletivização dos meios de produção e de distribuição, inclui também o a eliminação do sistema de propriedade privada e o aniquilamento de classes sociais nivelando a sociedade com direitos igualitários. Essa visão é completamente oposta ao capitalismo vigente na sociedade ocidental. Parece ser uma visão encantadora; o estabelecimento de uma sociedade ideal e igualitária, realmente é utópica e supostamente paradisíaca, por isso mesmo consegue atrair religiosos para a militância e causa socialista. A verdade é que o socialismo prega a redenção pelo estado, o estado grande que domina e promove a coletividade, construindo um novo mundo para uma nova humanidade, pautada na igualdade, portanto tem uma palavra chave para se alcançar esse patamar perfeito que colocará a civilização no seu esplendor materialista: Revolução. Essa visão utópica de um sistema igualitário é cimentada dentro do coração humano como um verdadeiro ídolo, e não é de admirar que seus militantes se comportem como se fossem fanáticos religiosos.  A fusão de idéias socialistas com a fé cristã remonta á Claude-Henri de Rouvroy, Conde de Saint-Simon, Frances que viver entre os anos de 1760 a 1825, ele desenvolveu sua idéia do “novo Cristianismo”.
Mas o socialismo tem seu mentor moderno no sociólogo e filosofo Karl Marx (818-1883) é lógico que há inúmeras outras figuras no amplo aspecto desse tema, mas Marx é o centro onde todas as outras personagens parecem girar nas engrenagens teóricas do socialismo. Aqui começa a surgir à grande verdade, que o socialismo é uma filosofia, mas lembre-se que é uma filosofia vã, que embora tenha um brilhante rotulo de “justiça social” na verdade e de forma sutil, o que promove é a catástrofe social e condiz a sociedade ao humanismo, ateísmo, materialismo e ao totalitarismo. Paulo no seu tempo já advertia sobre os perigos das filosofias vãs (Colossenses 2:8). A partir de Karl Marx, todo o socialismo moderno foi remodelado e distribuído ao mundo, a partir da revolução russa, que deu inicio a União Soviética, outras revoluções se sucederam, e aonde o socialismo chegou à forma de revolução, para instalar o seu “paraíso”, a tragédia corrompeu os ideais e a historia é um testemunho completamente aberto sobre esse fato. Como ideologia, o marxismo tem uma enorme quantidade de seguidores se simpatizantes no mundo inteiro. Com uma militância extremamente fanática em alguns casos.
O socialismo marxista pretende promover uma redenção social, Nancy Pearcey abordando o tema no seu livro “Verdade Absoluta” explica: “Note que Marx não identifica que a fonte suprema do mal é a falha moral, pois isso implica que os seres humanos são moralmente culpáveis, significando que a solução tem de ser perdão e salvação. Ele determina o mal nas relações sociais e econômicas; portanto, a solução é mudar essas relações pela revolução. O marxismo presume que a natureza humana pode ser transformada mudando as estruturas sociais externas.” (4) Assim, na dialética materialista, fruto da cosmovisão marxista, há todos os contornos de uma religião filosófica e materialista, a gênese    marxista conclui que o universo é um sistema dinâmico contendo em si mesmo o poder evolutivo, assim as forças cósmicas impessoais de um universo eterno e fechado é a causa de todas as coisas, visto como se foisse um maquina “O universo tornou-se uma maquina auto-originada, movendo-se de modo inexorável para uma meta final da sociedade sem classe”(5) dessa forma vimos como a visão de Teilhard de Chardin se encaixa perfeitamente nessa visão romântica do universo, pois ele chamou o auge de uma sociedade evolutiva como um “ponto Omega”, algo hiper-pessoal, global e holístico. Assim também surgem outras formas de redenção puramente humanista como o trans-humanismo, que encontra na evolução aliada a tecnologia de ponta, o potencial utópico para o homem alcançar a imortalidade. Não é admirável que teólogos como Chardin tenha influenciado o pensamento de teologias associadas ao marxismo.
Muitos cristãos que dão um passo para fora da ortodoxia cristã e abandonam uma visão mais conservadora do cristianismo acabam cedendo espaço para as teologias que fazem uma síntese da fé cristã com o marxismo. Uma das explicações para esse fenômeno é que de algum modo, o socialismo parece promover um tipo de redenção social, e por isso mesmo, acaba por pavimentar o um caminho menos espiritual e mais materialista, contudo levando consigo o estandarte da redenção humana, por isso os socialistas se comportam como religiosos fanáticos. Durante a segunda guerra mundial, o corpo de Lênin era embalsamado e idolatrado pelos soviéticos comunistas, quando os nazistas ameaçaram Moscou, durante a segunda guerra mundial, Stalin organizou uma equipe de cientistas e esconderam o cadáver de Lenin, que era venerado como uma divindade. Essa tendência ao fanatismo idolatra é comum aos comunistas.
Essas tendências “socialistas” eram comuns entre seitas que surgiram durante a época do Novo Testamento, essênios, nicolaitas e muitas seitas gnósticas, surgiram no cenário daquela época e muitas delas foram uma ameaça pára a fé cristã, e tinham características muito comum ao socialismo, e assim como na maioria das seitas, as pessoas tornam-se parte da engrenagem social, a individualidade é destruída, a compreensão da matéria torna-se equivocada e os homens devem se render as conveniências da revolução. Ao negar a propriedade privada, as teorias socialistas insistem no estabelecimento de uma “colméia global!” acaba por negar a individualidade do ser. Grande parte dos discursos socialistas tendeu para a justiça social apelando para sentimentos que parecem tão nobres, e isso de alguma forma pode cativar a atenção de pessoas religiosas de boa índole, mas eu quero repetir aqui o fato de que a historia ensinou que o socialismo em sua ideologia de igualdade social tentou tirar a sociedade da pobreza e impôs com isso um estado de miséria e ruína onde intentou implantar seus projetos redentoristas.
Como a igreja moderna foi influenciada pelas idéias socialistas?  Normalmente, os pesquisadores tendem a aceitar o surgimento da teologia da esperança, como a principal promotora de teologias engajadas em fazer uma síntese entre a fé cristã e o marxismo, entre elas a mais conhecida na America Latina é a Teologia da Libertação. A ideal principal dessas correntes teologias é mesclar o socialismo com o cristianismo, para desenvolver um sistema teológico ou um agente de transformação social para combater a injustiça, mas o resultado disso foi o sincretismo do marxismo com a teologia cristã.  A teologia da esperança foi desenvolvida por Jürgen Moltman, que conheceu o filosofo marxista Ernst Bloch na década de sessenta. Desse relacionamento com Bloch, Moltman escreveu um livro: Theology of Hope, que foi publicado em 1967 nos EUA, e teve um impacto muito grande entre outros pensadores cristãos. Paul Enns assim define a teologia da esperança:  “Moltman entende a igreja como formatando o futuro e provendo esperança através da interação social, particularmente em beneficio do pobre na sociedade” (6) em suma, a esperança da redenção da sociedade mundana tornou-se a ênfase, o centro para onde deve convergir o “cristianismo socialista” é a justiça social, Paul Enns afirma que “a ressurreição de Jesus Cristo como evento histórico não é importante, A importância da ressurreição de Cristo é escatológica e deve ser vista do futuro porque ela dá uma esperança de uma ressurreição geral no futuro”(7) a ênfase novamente é tirada de Cristo e colocada no homem, a importância da obra de Cristo é minimizada para dar total prioridade as necessidades sociais do homem. Isso é um erro, e dessa ideai surge a teologia da libertação.  Mas o marxismo ganha amplo aspecto de aceitação por via da teologia da libertação, que é uma versão latinizada da teologia da esperança aliada a outras idéias que correspondam aos problemas políticos da America Latina. A teologia da libertação tem como seu centro as preocupações socioeconômicas dos pobres e oprimidos da America do Sul e central. O catolicismo foi o principal promotor dessa ideologia teológica, e por incrível que pareça teve até uma versão bíblica para alcançar seus propósitos heréticos, A Bíblia Edição pastoral (Edições Paulinas) O Dr Estevão Bitencourt. OSB, sacerdote católico confirma e denuncia os intentos da própria igreja: “ Edição Pastoral, em tradução e notas de Ivo Storniolo e Euclides Balancin, não preenche a finalidade que se propõe. Inspirada por ideologia marxista deturpa as concepções da história sagrada e da teologia; a leitura materialista aplicada ao texto sagrado torna a mensagem imanentista, fazendo-a perder o seu caráter transcendental. O Vocabulário do fim do volume e as notas de rodapé dão as chaves de interpretação dos livros bíblicos; a própria tradução portuguesa, num ou noutro ponto, deturpa o sentido do texto sagrado. Em conseqüência, deve-se lamentar a difusão de tal obra nos ambientes eclesiásticos do Brasil.”(8) Da mesma forma, no ano de 1972 foi publicada a “Biblia Sudamericana” organizada por padres católicos que simpatizavam com as idéias marxistas, essa versão das “escrituras” foi elaborada para promover a teologia da libertação. Vejam que até  versões bíblicas foram desenvolvidas para que se adequasse as configurações ideológicas do marxismo para que o povo fosse doutrinado por suas lideranças. A teologia da libertação também levantou o estandarte da revolução social, repetindo as idéias de Moltman que bebeu das fontes poluídas do pensamento de Karl Marx.
A teologia da Missão Integral é a versão “gospel” e mais versátil da teologia da libertação, embora venha levantando o estandarte da “justiça social” o namoro constante com a esquerda política e a oposição que seus principais representantes brasileiros fizeram durante as ultimas eleições revelaram apenas que estavam aparelhados aos políticos marxistas muitos deles na vanguarda da simpatia por ditadores socialistas.  Esse é o ponto crucial, de nada adianta negar com as palavras quando as ações acabam remetendo as convicções para as mesmas fontes onde os socialistas se abastecem. A missão integral revelou isso, porque cedo ou tarde a verdadeira natureza das intenções revela à essência que dá suporte as crenças. Assim, toda a dinâmica dessas teologias é de cunho estritamente materialista, num engajamento de justiça social aos moldes socialistas, tendo em vista que de certa forma esses ideais parecem ser tão elevados acabam atraindo os cristãos para um engajamento em “prol da justiça social”. Ora, o falecido Bispo anglicano Robson Cavalcanti admitiu que a Teologia da Missão Integral é a versão protestante da teologia da libertação, sendo assim, é muito claro concluir que de fato todos esses modismos teológicos são reflexos da teologia da esperança desenvolvida por Moltman. Assim, o pensamento marxista ganhou aceitação social mais abrangente, e sem duvida continua promovendo a causa da “justiça social” socialista. Tendo em vista que onde o socialismo predominou e cimentou  suas doutrinas, a igreja sofreu duras perseguições, é um fato que tudo isso passa despercebido hoje, e de certa forma se ignora todo o fracasso socialista do passado para sustentar a utopia socialista impossível do futuro. Assim, nota-se a contradição vigente que se esconde por trás de convicções fanáticas, pois que na defesa de uma justiça social por trás de uma ideologia social redentorista, que parece tão maravilhosa, se esconde todo o assombro do fantasma real, onde predomina o marxismo, a miséria predomina, a igreja morre e a justiça social nunca ocorre. Essa é a era do engano, aqui estamos nós diante do fato de que essas teologias acabam cedendo espaço para a crença em outro evangelho. James Sire confirma essa verdade: “Na teoria, o marxismo deve beneficiar a classe trabalhadora e lhe permitir obter o controle econômico da própria vida. Na realidade, porém, a rigidez burocrática da vida sob o comunismo levou á estagnação econômica e á perda da liberdade pessoal” (9)
Desde o estabelecimento do reino de Israel, o Senhor não usou o socialismo como base sócio político como padrão. As leis estabelecidas não apontavam em hipótese alguma para esse ideal, não houve uma terra de todos, mas cada tribo ficou com uma parte, não precisamos nos demorar nesse assunto, porque qualquer que estudar a posse da terra prometida vai entender como as coisas procederam. No Novo Testamento, Cristo não promoveu uma causa socialista, a base da justiça não é tirar de quem tem para dar para quem não tem, mas quem tem, dar para quem não tem, essa é a base da verdadeira justiça, e Paulo estabelece muito bem essa regra em I Timoteo 6:17 a 21. Da mesma forma, a abordagem de Tiago é que numa sociedade haverá ricos e pobres, e o que deve ser feito é que não haja acepção de pessoas (Tiago 2:1 8) Cristo não vai falar de revolução social, na sua época, Israel era politicamente propriedade de Roma, os judeus estavam debaixo do regime imperial de Roma, os discípulos e alguns judeus desejavam essa emancipação e a liberdade, esperavam um Messias libertador e a restauração do reino de Israel, todavia os passos de Cristo seguem para outra direção (Atos 1:7 e 8) entender isso é importante, porque  no seu discurso central, o sermão da montanha, a essência das palavras de Cristo estão alicerçadas na “não revolução política”, não há nada de socialista no sermão da montanha, nada que sugira marxismo. Se há alguma revolução no Novo Testamento, é de natureza espiritual. Não há discursos de Cristo pregando desocupação de terras, se em algum momento ele aborda o tema, vai falar de distribuição voluntaria, quem tem deve dar para quem não tem, mas isso de forma voluntaria, respeitando a propriedade alheia (Veja Mateus 19: 16 a 26) nem mesmo João Batista com sua voz de trovão ecoa nesse sentido, a mensagem é de arrependimento e não revolução é espiritual e não político é ética e moral e não social. O tema central de Paulo nada tem a ver com socialismo, o tema que ele discorre no seu ministério é o Cristo crucificado (I Coríntios 2:1 a 5) e a ordem de Cristo é pregar o evangelho, boas novas de salvação aos perdidos (Marcos 16: 14 a 20) se levarmos em conta o proceder da igreja em Atos e posteriormente Paulo, o caminho da igreja era ajudar os pobres, mas uma ênfase era dada aos domésticos na fé (Gálatas 6:10).  O grande tema da bíblia é a redenção em Cristo, o sacrifício perfeito e único de Jesus Cristo, quase toda uma epistola vai abordar esse tema: o livro de Hebreus. A ênfase sempre é dada ao espiritual, portanto Paulo brada que a nossa pátria está nos céus (Filipenses 3:20).
A tendência do socialismo é anticristã na sua essência, ainda que muitos insistam na conciliação marxismo e cristianismo, fazendo uma síntese, da tese e da antítese, opostos em acordo mutuo, isso gera a perda de identidade moral de um, e nesse caso, é a fé cristã que se adapta aos preceitos do marxismo quem sai perdendo, ao aliar-se com políticos que expressam  a defesa de valores nitidamente anticristãos. A tendência do marxismo cultural por sua vez tem influenciado as lutas de classe, mas que tipo de classe? A classe de pecadores condenados pelas escrituras. Não é admirável que haja sobremodo uma tendência a proteger bandidos contra as sentenças que a justiça impõe. Toda essa tendência funciona numa completa contradição a Romanos 13:1 a 8.  Quando se fala em justiça social, essa justiça não é outra senão também a defesa de aborto, homossexualismo, ideologia de gênero, liberação das drogas, feminismo etc. Tudo isso é visto de forma muito clara em nossos dias, através de manifestações publicas, promovidas por grupos antagônicos á moral judaico cristã. Para tornar-se aparelhado ao marxismo cultural e andar em comum acordo com essa filosofia, como fazem os integrantes dessas teologias, os tais precisam adaptar-se as tendências malignas que essas ideologias impõem, sendo cristãos se associam com políticos corruptos e se filiam a partidos que institucionalizaram a corrupção e promoveram a maior roubalheira já vista nessa nação, eles precisam adaptar-se espiritualmente a tudo isso, por esse motivo, não há entre eles, protestos públicos e pessoais contra as tendências imorais e malignas do socialismo. O brado profético atual é: “Andarão dois juntos se não estiverem de acordo?” (Amós 3:3). Toda essa tendência a sodomia, a destruição da família tradicional, o apoio a imoralidade em todas as suas dimensões, não é promovida sem o apoio do marxismo cultural e das ideologias de esquerda. Isso também é muito claro, que as tendências anticristãs cresceram na medida em que o marxismo cultural é implantado na sociedade e políticos desse viés ideológico atuam em cargos públicos. A omissão dos santos em ajudar os pobres não justifica aliar-se ao diabo para tentar resolver o problema, porque foi ele o principal causador do caos instaurado no mundo. O discurso ideológico socialista da justiça parece soar muito espiritual, porem é tendencioso e porque enquanto há uma acusação contra o capitalismo sobre injustiças sociais, a historia é irrefutável em nos revelar que o socialismo foi responsável por outros piores. As Escrituras admoestam a não nos conformarmos com este mundo (Romanos 12:2) porque ele jaz no maligno (I João 5:19) Há um princípio espiritual que permanece vigente para vivermos debaixo da verdadeira espiritualidade, discernir o sagrado e o profano (Levitico 10:10) não misturar os dois, e isso muitas vezes é feito debaixo de uma conveniência para adequar posições teológicas e ideológicas e justificar as crenças que se deseja defender. Essas teologias nada têm de libertação, pelo contrario, elas colocam as pessoas debaixo de um jugo ideológico, e não integram nada mais do que a política mundana gerada por ideologias profanas e antibiblicas com certas doutrinas “sociais” do evangelho. O socialismo e suas vertentes pregam igualdade, o primeiro socialista pregador da igualdade foi o diabo, ele pregou que todos no universo deveriam ser iguais, cada criatura deveria ter o mesmo direito e posição com o Criador, assim haveria uma justiça cósmica estabelecida. Então ele sugeriu que a quebra de uma ordem estabelecida é a revolução que conduz a emancipação e a conquista da igualdade com Deus. Que discurso cativante! Isso pareceu muito bom, pois Eva percebeu que o diabo se preocupava muito com o bem estar das pessoas, mas o que vem a seguida é o caos social, exatamente como acontece em cada nação onde prevalece o socialismo e em cada lugar onde ocorre a revolução marxista. Só um cego não enxerga essas coisas tão obvias. (Leia Genesis 3:1 a 24) Que o Senhor nos abra os olhos sobre esse assunto tão atual, pois a igreja evangélica tem sido contaminada com esses venenos ideológicos, filosofias vãs e rudimentos mundanos que tem poluído o evangelho em muitos lugares.


(3)    O Livro Politicamente Incorreto da Esquerda e do Socialismo. Kevin D. Willianson Pagina 9 Agir. 2013
(4)    Verdade Absoluta. Nancy Pearcey. Cpad. Pag 153
(5)    Idem Pagina  152
(6)     Manual de Teologia Moody. Paul Enns. Editora Batista Regular pagina  721
(7)     Idem pagina  722
(9)     O Universo ao Lado James Sire. Editora Monergismo. Pagina 96

Autor: Clavio J. Jacinto

Vigiai


Ego


Amor Intenso


Vale das Aflições


A Saga do Homem Moderno


Footer Left Content