sexta-feira, 20 de julho de 2018

Cristianismo Equilibrado - Lang, G. H. Lang


Cristianismo Equilibrado

Escrito por: Lang, GH





I

O homem é consciente de dois mundos, um exterior e um interior, um público e um privado, um objetivo e um subjetivo. Ele está consciente também de que esses dois mundos relacionam-se um sobre o outro; o homem é influenciado pelo mundo ao redor, por sua vez, esse mundo exterior,  influencia ele interiormente.

Ele está ainda consciente de que o seu próprio mundo interior e privado é um reino diversificado, cada um dos três elementos  interagem uns sobre os outros: Pensamentos, sentimentos e desejos.  Os pensamentos despertam os sentimentos. Em seguida, o homem reage de acordo com a vontade, produzidas pelos pensamentos e sentimentos.
 Este mundo triplo que interage dentro de nós, é denominado CORAÇÃO, porque é o centro da vida inteira do homem, e dele flui as questões da vida, como o sangue flui do coração físico para todas as partes do corpo do homem, assim, desejos, pensamentos sentimentos flui também do coração no âmbito espiritual.

O homem está mais e dolorosamente consciente de que tanto o mundo ao redor quanto o mundo interior estão em desordem. Algo está radicalmente errado com ambos. O mundo físico e suas forças agora o ajudam, mas também o machucam. As influências morais, também podem ser uma bênção, mas também pode ser uma maldição, o mundo a nossa volta, nos corrompe.

Além disso, a experiência uniforme de toda a humanidade, no curso da vida ao longo de milhares de anos, provou a incapacidade pessoal e completa do homem para reduzir os problemas do mundo interior e exterior. A confusão e a corrupção de ambos são mais terríveis hoje do que nunca.

Cada homem sabe que seus pensamentos nunca são absolutamente certos, verdadeiros, corretos, puros. Ele pensa de maneira errada, forma opiniões que normalmente precisam ser corrigidas, tem idéias que ele sabe que são sujas, cruéis ou indignas. Estes ele nunca pode excluir totalmente, ou rejeitar ou purificar. Ele sabe, também, que seus sentimentos são mais ou menos egoístas, preconceituosos, enganosos, e são muito propensos a transformá-lo em ações  que ele sabe serem errados. Ele também está ciente de que sua VONTADE é inconstante, pouco confiável, muito facilmente influenciada por seus desejos ou desgostos, e muitas vezes dividida, distraída, isto é, arrastada em direções completamente  opostas e fora da vontade de Deus.

Para pessoas de mente direita, tudo isso é motivo de pesar e profunda solicitude: mas o que pode ser feito? Em seus momentos mais sóbrios, o homem responde com tristeza ao grito de um velho escritor, o apostolo Paulo: "Miserável homem que sou! Quem me livrará?" (Romamos 7:24)

II

Agora, é um fato importante que uma vez, e apenas uma vez desde que essa desordem entrou na natureza do homem, viveu na Terra um homem cujo mundo interior estava completamente e continuamente livre da desordem. Ele nunca teve pensamentos que ele precisava corrigir ou se arrepender; Ele nunca sentiu sentimentos que não fossem amorosos; Sua vontade era única, sem distrações, sempre direcionada à verdade, à pureza, devemos atentar para esse fato.

Além disso, Ele manifestou também um notável poder de controle sobre o mundo ao seu redor.Ele reduziu as tempestades à quietude; Ele caminhava serenamente nas águas jogadas pela tempestade; Sua palavra de ordem fez a comida se multiplicar, doenças desaparecerem, saúde e vigor reviverem; os mesmos mortos foram restaurados à vida, mostrando que Sua autoridade se estendia completamente também àquela região do universo.

Mas mais notável foi Sua influência sobre o mundo moral ao redor. Ele leu os pensamentos dos corações dos homens; o ímpio se esgueirou de sua presença convicto e envergonhado; os arrependidos foram perdoados e receberam paz quanto ao passado culpado; os covardes foram aplaudidos, os tristes confortados, os perplexos guiados: não havia corações sinceros entre os homens, mas Cristo estava ali, com o coração puro e um mundo interior ordenado.

Ainda mais digno de nota era Sua autoridade sobre os demônios, aqueles invisíveis agravantes da discórdia e desordens humanas. Eles tremeram diante Dele, fugiram ao Seu comando, e suas vítimas ficaram gloriosamente livres de sua influência maligna, opressiva, degradante e destruidoras.

Ampla prova de tudo isso é encontrada nos quatro relatos de Sua vida, conhecidos como os Evangelhos (Mateus, Marcos, Lucas e João).

O advento de tal homem neste universo desordenado foi da maior importância e significância possíveis. Mostrou que existe uma energia vital superior a todas as forças da desordem, embora vivida em condições verdadeiramente humanas. "Nosso Salvador, Cristo Jesus, aboliu a morte e trouxe vida e incorrupção à luz" (II Timóteo 1:10). Antes de sua vida na Terra, não havia sido demonstrado conclusivamente que existisse uma vida que a corrupção não pudesse alcançar, pois, na verdade, a corrupção do pecado alcançou dos os filhos de Adão, como demonstra a historia da humanidade em geral.

Mas que vida tinha esse homem? Era a vida humana, mostrando todas as marcas normais e ideais disso. Mas por que, então, Sua vida prevaleceu na batalha contra o pecado enquanto todos os outros seres humanos falharam nesta batalha? Aquele que viveu com Ele três anos e meio e O observou de perto, tanto de noite como de dia, deixou registrado o resultado de seu escrutínio de Jesus. Ele nos diz que ele chegou a ver que, através da vida humana de Cristo, havia outra vida mais elevada, que tinha a impressão e as marcas da eternidade, pois não mostrava nenhum traço daquela variabilidade, fragilidade e transitoriedade dos que vivem apegados a esse mundo. Foi, de fato, que a vida eterna, aquela vida divina, que sempre existiu com Deus o Pai e estava agora em Jesus sendo manifestada aos homens na terra (I João 1: 2). Vida humana pura, mesmo quando originalmente sem pecado, sempre confrontava às forças da desordem. A vida humana conjunta, impregnada, reforçada pela vida eterna era superior as condições da vida aqui debaixo. O Filho de Maria, o Filho do homem, era o eterno Filho de Deus, Deus manifestado na natureza humana, Ele nosso modelo de uma vida equilibrada.

"Que grande é o amor e a sabedoria do nosso Deus! Quando tudo era pecado e vergonha, Um segundo Adão veio para lutar contra o pecado e para nos resgatar.

" O mais sábio amor! Que a carne e o sangue Que fez Adão cair Deve lutar novamente contra o inimigo Deve esforçar-se e devem prevalecer.”
“O maior dom da graça deve aperfeiçoar a carne e o sangue, para que a presença de Deus e a sua essência seja legitima”


III

Essa singularidade de Jesus Cristo envolve, como conseqüência necessária, que para Ele todos os outros homens devem recorrer, se encontrarem o segredo e o poder da vitória, da ordem e da paz; pois Ele se destaca o homem solitário que já segurou aquele segredo, assegurou aquela vitória, desfrutou aquela paz. Nunca houve outra pessoa que salvou os pecadores de seus pecados, ou tinha o direito de dizer: “Eu sou a Luz sobre todos os seus problemas; vinde a mim e eu te darei descanso da desordem e do desastre”.

Deus enviou Seu Filho para ser o Salvador do mundo, e não há outro. O homem deve fixar sua atenção em Cristo, Ele deve ser o modelo, Cristo tem de reinar em nossas vidas. Para aqueles que rejeitam a Cristo, deve de simples necessidade aplicar Suas palavras: "Vocês não virão a mim para que tenham vida" (João 5:40); pois nenhum outro dos filhos dos homens jamais possuiu essa vida ou poderia transmiti-la a outra, portanto a esperança do homem é Cristo.

Isso indica um princípio fundamental da verdadeira vida de um cristão: é o resultado da ocupação do coração com Cristo como uma Pessoa histórica, os fatos concernentes a quem são aprendidos, acreditados, pesados ​​e lembrados. Portanto, não é de se admirar que o Príncipe das trevas e da desordem tenha sempre se esforçado para obscurecer e perverter os fatos quanto à Pessoa de Jesus Cristo, pois assim impede que seus tolos cegos confiem em Cristo, e se libertem do seu mundo de mentiras e desordens (Veja  a passagem bíblica onde Paulo ensina algo terrível  sobre o engano:II Cor. 4: 3,4).

Em segundo lugar, isso envolve meditação sobre a Bíblia como a mensagem de Deus através da qual somente esses fatos podem ser verificados. Pois é evidente que Deus achou por bem que o conhecimento dos fatos, dispensado inicialmente por pessoas que conheceram Jesus, tenha sido preservado para as gerações posteriores somente na Bíblia. Novamente, portanto, não é de se admirar que o Pai da mentira tenha se esforçado incessantemente para espalhar dúvidas e negações sobre a confiabilidade desses registros, para que suas vítimas não possam, por meio deles, chegar ao conhecimento de Cristo.

IV

Cristo é o representante designado por Deus de uma nova ordem da humanidade. Adão, o primeiro representante da raça humana, desobedeceu a Deus e arrastou todo o seu reino para a desordem e a escuridão. Cristo inverte isso para todos os que entram em seu reino. O Filho de Deus se manifestou na terra para aniquilar as obras do diabo (1 João 3: 8) e libertar todos os escravos de Satanás (Hebreus 2: 14,15). O primeiro homem, Adão, é da terra, assim como todos os seus filhos: seu ser e sua vida eram da terra e para a terra e participavam da fraqueza das coisas criadas. O segundo homem é do céu, e, tornando-se homem, Ele trouxe para a natureza humana a autoridade, energia, liberdade e segurança das coisas celestiais, Ele nos concede as bênçãos da vida eterna (João 8:23; I Coríntios 15:47). Esta vida Ele comunica aos que lhe obedecem.

Sendo assim nomeado por Deus como o Chefe de uma ordem celestial de homens, Ele é seu representante atuante. E, como tal, Ele age como homem, e tudo o que Ele conquistou pela obra consumada da cruz, está  disponível para os que nasceram de novo, ou seja, os cristãos pertencem propriamente à  vida celestial do Senhor Jesus Cristo. As principais experiências de Cristo, como representante de uma nova raça,elas foram  possibilitadas pela fé e obediência, são:

(a) Ele nasceu na humanidade pelo ato do Espírito de Deus (Lucas 1:35):

Pelo ato desse mesmo Espírito, eles são nascido de novo na nova e celeste raça dos homens (Leia todo o capitulo de João 3, que aborda muito bem esse assunto).

(b) Ele pelo Espírito e pela fé vivida em santidade de coração e prática:

Eles são chamados à santidade, do espírito e da carne, na vida interior e na vida exterior, e a eles é concedido o mesmo Espírito, que pela fé eles podem andar no mesmo poder e na mesma esfera espiritual, assim como Cristo andou.

(c) Ele morreu pelo pecado uma vez por todas. Na cruz, Ele tomou sobre si o fardo pesado, como se fosse seu. Pela Sua morte expiatória Ele colocou o pecado fora de diante de Deus, não sendo mais responsável por ele, visto que Ele cumpriu sua pena total, através da sua morte na cruz  morte (Romanos 6):

Aqueles que descansam nesta Sua obra recebem pela graça os benefícios dela eles são considerados como se estivesse em Cristo, na redenção, cumprido sua pena pelo ato de Sua fiança. Assim eles têm paz com Deus, e são chamados a considerarem o fato, como tendo morrido com o seu Representante (Leia Romanos 6; Colossenses. 2 e 3 que abordam com profundidade esse assunto).

(d) Ele foi ressuscitado dentre os mortos e retornou em um corpo ressuscitado para aquele mundo celestial de onde outrora Ele veio:

eles são vistos por Deus como sendo o seu representante, sob o mesmo princípio de que uma parte de uma ação é considerada como tendo aparecido no tribunal na pessoa de seu advogado. O Espírito de Cristo é comunicado ao Seu povo para tornar isso efetivo em sua presente experiência de coração. Assim eles sabem e se sentem cidadãos daquele mundo (Leia as seguintes passagens: Efésios 1: 15-2: 10; Filipenses 3:20).

(e) Ele viveu e vive em plena consciência de Sua eterna Filiação a Deus:

Eles recebem o espírito de adoção que eles também podem conhecer a Deus como seu Pai, e podem sentir e agir harmoniosamente com esta sua alta vocação (Leia as passagens: Romanos 8: 12-17; Gálatas 3: 23 e 4: 7).

(f) Ele era a Luz deste mundo, como Ele já havia sido daquele mundo acima, nos céus  e, portanto, o Príncipe das trevas, o diabo, o odiava:

Os cristãos, em Sua ausência, são chamados e capacitados para serem a luz do mundo e, como tal, recebem o privilégio de sofrer com Ele (Leia as seguintes passagens: João 8:12;  Mateus 5: 14-16; Filipenses 2: 14-18; 1: 27-30).

(g) Ele deve ser o Soberano do céu e da terra, visivelmente, em glória:

Aqueles que compartilham Sua cruz devem compartilhar Seu trono; se sofrermos com Ele, seremos glorificados juntamente com Ele (Leia as passagens de Romanos 8; 17; II Timóteo. 2: 11-13).

V

Dois grandes princípios estão envolvidos na vida cristã, referidos acima como objetivos e subjetivos, devemos ficar atento a esses fatos importantes.

A perspectiva objetiva é aquela que se detém sobre o que é o próprio Cristo: o que Ele é para o Pai, o que Ele fez por nós em Sua grande obra de redenção e nossa segurança eterna trazida por Ele para a família de Deus. O perigo aqui não é de uma supervalorização de Cristo, pois isso é impossível. Encontra-se em nosso descanso, em nossa posição ou nossa fé, satisfeitos de que tudo está bem porque nos é dito que ninguém pode nos arrancar da Sua mão.

A culpa aqui é que o coração não está absorto na pessoa de Cristo, que Ele não é o objeto de afeição. É de temer que em muitos casos (mais particularmente em crianças criadas em lares cristãos) não tenha havido profundo exercício do coração quanto ao pecado, e conseqüentemente há pouca e verdadeira apreciação da magnitude da salvação efetuada pelo Senhor e sem dizer com um coração sincero: "Eu me levantarei e irei a meu pai". Assim, não há real gozo do lar do Pai como a doce morada atual da alma, e falta a reação normal de andar com Deus em alegre e humilde sujeição à Sua santa vontade, com a felicidade do coração que isso traz. Não é por isso que muitas almas estão espiritualmente paradas, muitas vezes acompanhadas por muito mundanismo e um testemunho fraco e comprometido a respeito de Cristo?

O aspecto subjetivo lida com nosso  estado atual, distinto de nossa posição em Cristo. Sua importância está em seus efeitos sobre nossas ações. É introduzido em tais exortações como "Permaneça em Mim e eu em você ...” “Nos purifiquemos de toda impureza de carne e espírito ...”  “Eu me exercito sempre para ter uma consciência sem ofensa ...”  “O reino de Deus é justiça e paz e alegria no Espírito Santo " além de outras passagens que abordam a vida cristã.

O perigo não é abordar demasiadamente tais passagens da Escritura, mas construir uma teoria da santificação em textos isolados, especialmente quando a mente está ocupada em grande parte consigo mesma, olhando para dentro, enfatizando uma morte diária. Essas almas não percebem que uma pessoa morta não pode morrer. A Palavra diz "vós morrestes e a vossa vida está escondida com Cristo em Deus" (Cl 3: 3). Nossa parte é considerar que alguém está morto, e então, pelo poder do Espírito, FAZER MORRER a natureza pecaminosa, a fonte dos atos pecaminosos anteriormente feitos através do corpo, e que faz com que a velha natureza continuaria contente

Em relação à realização experimental de nossos possíveis privilégios, de modo a desfrutá-los em nossa própria alma, há dois perigos principais:

(a) Há como conteúdo de repouso, a concordância com os fatos históricos objetivos quanto a Cristo, e recebe pouca ou nenhuma experiência interna subjetiva correspondente.

(b) Há outros tão absortos em sua condição subjetiva interior que dão muito pouca consideração aos fatos sobre Cristo, vamos citar alguns  exemplos:

(a) Alguns reconhecem que Jesus é o Filho de Deus e fizeram por Sua morte a expiação do pecado, e aqui eles deixam o assunto. Eles não sabem nem buscam a paz com Deus, portanto perdem o fio dourado que tece a perfeita e consumada obra de Cristo na cruz do Calvário, e isso é lamentável..

(b) Outros gemem e gemem por causa de seus pecados, temem a ira de Deus, anseiam por paz de consciência, lutam para ser bons e para fazer o bem, praticam cerimônias religiosas, oram perpetuamente por perdão como "ofensores miseráveis", mas fazem sem progresso espiritual. Nem jamais farão isso até que desviem a mente de si para descansar sobre os fatos objetivos concernentes a Cristo, e o que Deus, em Sua Palavra da verdade, declara a respeito desses fatos. Ao fazer isso, eles terão assegurado a paz. O estado subjetivo deve repousar sobre os fatos objetivos. Caso contrário, qualquer sentimento de paz, se alguém alcançar, será infundado e enganoso.

(c) Outros estão satisfeitos com a aceitação teórica de sua presumida posição e bênção em Cristo, e prestam muito pouca atenção ao seu estado interior e à sua prática. Conformam-se aos fatos objetivos teóricos, acham pouco contentamento ; eles não estão muito aflitos de que sua experiência interior é terrena, mundana, sem ânimo ou tomam uma falsa cosnciencia de que isso não pode ser melhorado até que "cheguem ao céu". Eles podem até mesmo merecer a repreensão: "Tu dizes: Eu sou rico, e obtive riquezas, e não necessito de nada; e não sabes que és o desgraçado e miserável e pobre, e cego e nu" (Apocalipse 3:17). ). Assim a alma pode enganar-se dizendo que tem tudo em Cristo. Como se detivesse títulos de propriedade dispensados ​​de posse.

(d) No entanto, outros pensam que fizeram muito progresso na santidade interior e estão, POR SI MESMOS, livres do pecado. Para si mesmos, seu estado subjetivo é satisfatório. Eles não aceitam o fato que Deus NÃO diz que nosso "velho homem" está crucificado no mundo , mas que foi crucificado em Cristo na cruz. (Romanos  6: 6) Muitos caem em uma profundidade moral e outros aceitam o fato de caírem sempre, pois não compreendem o fato objetivo da declaração de Paulo nessa passagem de Romanos citado acima.

(e) Alguns falam (para não dizer que cantam) com complacência sobre ser filhos de Deus Pai, mais ainda vivem como órfãos lançados sobre este mundo cruel, eles se preocupam diariamente com comida, roupas e os possíveis problemas do amanhã. A condição subjetiva da mente ainda não está retificada pelo relacionamento declarado pelas verdades objetivas das Escrituras.

(f) Outros falam de se sentar nos lugares celestiais em Cristo, mas experimentalmente não sabem nada sobre Sua autoridade sobre os poderes das trevas, aqueles espíritos iníquos que Cristo derrotou, mas que ainda derrotam esses cristãos indolentes induzindo a absorção nesta terra. Feliz é aquele de quem se pode dizer o que disse o Dr RC Chapman: "Nós falamos sobre os lugares celestiais, mas Ele vive neles."

(g) Mas outros estão terrivelmente e corretamente alarmados com a derrota, e eles reúnem todas as suas próprias energias para o conflito diário; ainda assim, porque não vêem que nós nada podemos obter, exceto o que Cristo conquistou, e que nós passamos a compartilhar de Sua vitória e autoridade, repousando e apropriando-se Dele como revelado e oferecido na Palavra de Deus.

Essas instâncias são suficientes para iluminar a nossa vida espiritual. Todos eles revelam os princípios fundamentais para uma vida cristã equilibrada e vitoriosa:

(a) Que somente Cristo triunfante tal Como Ele é, fez e está fazendo, está disponível para o homem; Além disso, que tudo o que a cabeça é, essa deve ser a experiência pessoal para cada membro de seu corpo, isso é cada verdadeiro cristão, para os que foram regenerados.

(b) Que o poder do Espírito Santo  faz com que a fé seja experimental, o que a fé aceita, e não mais do que a fé aceita, com base nas promessas de Deus, a obediência da fé prova que é fé genuína. "Levante-se e ande", disse Cristo a um homem que não podia andar. A fé obedeceu imediatamente, e a força para caminhar foi imediatamente concedida, é assim que a fé funciona na vida de um cristão, isso é muito simples mas é verdadeiro.

É o equilíbrio que é necessário. O místico da uma ênfase  desproporcional na experiência interior. Sua tendência é sempre em relação a Deus dentro de si mesmo. Isso avança com facilidade para uma identificação panteísta de Deus e na divindade dentro de si mesmo, e pode levar à adoração virtual do "divino no homem", que é auto-adoração, uma fase da armadilha sutil oferecida no Éden pela antiga serpente, o diabo, que prometeu a Eva: "Você será como Deus".

Por outro lado, o crente pode ter um credo formalista, aceitando todos os fatos declarados pelo Pai sobre o Filho, concordando com todas as doutrinas derivadas, mas experimentando pouco do seu poder vivo para purificar o coração do pecado e fazer com que Cristo habite completamente na sua vida,para que a velha natureza pecaminosa fique completamente desalojada.

É um equilíbrio indispensável. Deve haver uma aceitação consciente, persistente e incondicional da dependência e expectativa de Cristo, o Cristo histórico. Ele deve ser o objeto de confiança e afeição; a plena satisfação para a alma; seu Ele é o Salvador da desordem e da corrupção moral, espiritual etc.Assim nossos pensamentos e desejos não regulamentados; Aquele que é santificado no coração pelo SENHOR. Então o Espírito de Cristo pode fazer com que os pensamentos, sentimentos e decisões sejam derivados e centralizados em Cristo, o homem que está pessoalmente à destra de Deus, mas que é assim desenvolvido moralmente no crente na terra por características morais que crescem progressivamente no caráter e na caminhada do cristão, essa é a vida cristã equilibrada e gloriosa.

Cristo é o libertador de Deus para o mundo: este é o método de libertação de Deus. Ele nos dá em Cristo um novo centro, e a roda da vida corre verdadeira e suavemente porque é verdadeiramente centrada. Mas, porque Cristo é o centro de todo o reino de Deus, no céu e na terra, a vida centrada nEle está, portanto, em harmonia com Deus e com todo o Seu reino, o mundo da ordem, da harmonia, da paz e  da alegria. (Leia I João 2:17).

Mas pela mesma razão que uma vida é excêntrica, fora do centro, com aquela porção do universo, celestial e terrestre, que não está centrada em Cristo. Se dois conjuntos de máquinas poderosas estivessem trabalhando no mesmo espaço, surgiriam atritos, choques, danos. Nesta época, esta situação induz conflito de espírito e problemas práticos para o homem centrado em Cristo. Mas ele pode suportar com paciência e confiança, vendo que ele sabe que Cristo conquistou este mundo, e que Seu mundo, o celestial, prevalecerá finalmente.

Cristo é o Salvador de Deus para o indivíduo e para o mundo: associação com Ele, pela fé e obediência, esse é o método de salvação de Deus. Não há outro nem pode haver outro, pois o método divino é único (João 3:35, 36).

"Cristo! Eu sou de Cristo! E que esse nome seja totalmente suficiente para você,  para mim também Ele foi suficiente. A vida centrada completamente em Cristo e em sua obra consumada e perfeita que Ele realizou na cruz.

A doutrina e o poder inclusivos da verdadeira vida são: "Vós morrestes com Cristo ... fostes ressuscitados com Cristo ... Cristo é a nossa vida ... Busque as coisas que são de acima, onde Cristo está" (Colossenses. 3: 1-4). 
***********

O presente estudo foi traduzido e completamente adaptado para o contexto atual, algumas idéias do tradutor foram inseridas, sem interferir nas idéias de Lang, porém todos os créditos ficam para ele. Traduzido e adaptado por C. J. Jacinto. O artigo original se encontra em:
https://believersweb.org/view.cfm?ID=979

Negar-se a si mesmo




Negue-se a si  mesmo,Foi o que Cristo ordenou para os seus seguidores. (Marcos 8:34 e Lucas 9:23).  O homem adâmico é centrado em si mesmo, completamente envolto na obscuridade de suas próprias paixões, instintos e orgulho. Essa vida adâmica, cheia do eu, inflada de sentimentos egoístas pode ser observada na vida dos fariseus e em alguns casos, em igrejas cristãs, é o caso da igreja de Laodiceia, com todo o seu orgulho materialista. O centro de um coração redimido é Cristo, isso significa uma vida responsável e rendida á uma vontade de Deus que é plenamente santa e pura. Desde o jardim, quando lá estava o homem em seu estado original, o que teria que imperar era uma harmonia da produzida pela vontade de Deus no coração humano, nada mais que isso. O equilíbrio de uma vida abençoada estava justamente na submissão á vontade de Deus e nada mais. Dentro dessa vontade eles tinham todas as bênçãos, fora dessa vontade viriam todas as maldições. (Gênesis 2:16 e 17 com 3:1 a 7)A escolha deles foi a satisfação da vida egoísta. Ao invés de permanecerem sob as condições de vida espiritual estabelecidas pelo Senhor, tendo a vontade de Deus como centro e Luz condutora de sabedoria plena, quiseram negar a vontade de Deus para beneficiar a própria vontade que a antiga serpente introduziu por meio de sugestões. (Apocalipse 12:9) Satanás conseguiu mudar a posição da vida do primeiro casal para fora da Palavra de Deus. O diabo poluiu o coração do homem pela desobediência de Adão, mas Deus purifica o coração do homem pelo sacrifício perfeito de Cristo. Infelizmente, o coração de Adão atendeu aquela voz refinada que introduziu palavras suaves que despertaram no coração do homem, o anseio de tornarem-se divinos para competirem com Deus ao invés de obedecê-lo. Veja que quando o Espírito Santo disse que deveríamos ser praticantes da Palavra de Deus, no Textus Receptus, a palavra Genomai, que foi traduzido como “praticante” significa ir para dentro da Palavra de Deus.(Tiago 1:22)  Assim como Adão saiu de dentro da vontade de Deus, o homem regenerado é  ordenado a ir para dentro da Palavra de Deus. Mas é impossível esse retorno para dentro da vontade de Deus sem o negar a nossa própria vontade. Cristo demonstrou em sua vida santa, que as coisas funcionam assim. Mas o que significa negar-se a si mesmo? Em simples palavra, negar-se a si mesmo é a ação caracterizada pelo desprendimento das coisas egoístas e passageiras, acompanhada de uma dedicação extrema á uma causa. É o sacrifício da vontade do eu para cumprir a vontade de Deus. O cultivo de algo mais elevado pelo caminho das mortes das paixões carnais. Só pode  caminhar pelo caminho estreito, quem desprende-se completamente das vaidades que satisfazem o velho homem. Para finalizar, quando digo não aos meus instintos caídos, imediatamente preciso dizer sim aos princípios divinos, só assim posso sair da vida mundana e viver a vida celeste.

Clavio J. Jacinto

Domínio Próprio e Sobriedade (Estudo Completo)



I- Domínio Próprio
A bíblia nos orienta que devemos fazer as coisas com ordem e com decência (I Coríntios 14:33) essa é a norma, adorar em Espírito e em verdade e de forma lógica (Romanos 12:1 e 2). Para entendermos bem esse santo proceder, atentamos para o que Paulo ensina a respeito do fruto do Espírito.  A frutificação espiritual é o sinal de que o cristão é cheio do Espírito Santo e está sendo guiado por Ele. Em Gálatas 5:23 Paulo menciona o domínio próprio, ou auto-controle. No grego a palavra é “enkantreia” e significa autodomínio, temperança, moderação, o domínio próprio é o sinal de uma vitalidade espiritual de quem é maduro e está debaixo da influencia Espírito tem domínio próprio. O que isso significa? Bem, precisamos entender que o homem tem emoções, impulsos, sentimentos e volição. Uma pessoa que tem o fruto do domínio próprio subjuga todos os seus comportamentos debaixo do poder do Espírito Santo, e consegue mantê-los controlados. Não há bizarrices, comportamentos excêntricos, desordens, etc. Há equilíbrio e harmonia comportamental. Essa é a marca da temperança, do autocontrole.  Infelizmente hoje, muitos acham que o inverso seria o sinal de uma pessoa cheia do Espírito Santo.  A marca de um homem espiritual é manter-se sob controle, reverencia e temor, ordem e decência. Numa reunião cristã, seu coração está atento aos hinos e a pregação, seu comportamento reverente ajuda outros a prestarem atenção no culto. Isso significa domínio próprio. (Veja Efésios 4:30 a 32). A presença e a habitação do Espírito Santo na vida de um cristão, vai produzir esse abençoado fruto chamado  domínio próprio, esse é um sinal bíblico de um cristão espiritual.
II- Sobriedade
Ser sóbrio é uma admoestação bíblica constante (I Pedro 1:13) no grego a palavra “nephontes” significa estar livre de influencias intoxicastes. Isso nos leva a concluir que tudo o que altera a nossa noção da realidade e a nossa consciência, é perigoso e antibiblico. (Mateus 13:14) Por isso a palavra também denota ficar livre da ilusão.(João 8:32) O cristão sóbrio sabe discernir as coisas corretamente.(Ezequiel 44:23) É vigilante,  circunspecto, inteligente e lógico.  Sobriedade seria o oposto a transe, hipnotismo e comportamentos desconexos, efeitos místicos que alteram a percepção da realidade e nos coloca fora dela, produzindo comportamentos bizarros, deixando o homem alheio e aberto a influencias antiéticas, antiestéticas e até mesmo espirituais, esses efeitos negativos e destrutivos  são  comuns em pessoas sob efeito de drogas ou mantras e outras atividades espiritualistas que alteram a consciência do homem, provocando desordem e anomalias comportamentais. Isso era muito comum nas religiões de mistérios e pagãs da antiguidade, e em certos círculos esotéricos e neopagãos ainda ocorrem tais fenômenos psicológicos. Infelizmente muitas igrejas são abertas a esses tipos de efeitos. Um homem nunca pode perder a seu discernimento lógico. (I Tessalonicenses 5:6) Nunca pode deixar que a Palavra seja roubada de seu coração (Mateus 13:19)por isso deve permanecer vigilante durante todo o tempo. Nunca pode perder seu senso critico, seu pensamento deve ser levado cativo a Cristo (I Coríntios 10:5), jamais pode perder a sua sensibilidade quanto a realidade das coisas a sua volta, deve ter sobriedade em fé (I Timóteo 2;15). Deve o homem santo se livrar da intoxicação espiritual assim como um homem natural deve se livrar da intoxicação natural. Pois em ambos os casos os danos podem ser irreversíveis.

Clavio J. Jacinto

O preenchimento do Espírito Santo


O preenchimento do Espírito Santo


Não vos embriagueis com vinho, onde há contenda, mas enchei-vos do Espírito Santo (Efesios 5:18)

 O enchimento do Espírito Santo é um estado de ser totalmente controlado  pela presença de Jesus Cristo tanto interiormente quanto exteriormente. Ser "preenchido" para o crente significa que ele está sob a influência controladora do Espírito: o crente é motivado, encorajado, e dirigido pelo Senhor..
"Sendo cheio do Espírito" (Efésios 5:18 ) refere-se à presença de Deus saturando totalmente o coração, a alma, a mente e o espírito do crente. Um cristão "cheio" caminha em união e comunhão constante  com Deus. Um indivíduo que é cheio do Espírito é dominado em sua pessoa pela presença do Espírito sendo uma descrição de como  vivem e amam-se mutuamente (Lucas 4: 1 ; Atos 6: 3-5, 7:55, 11:24). O enchimento do Espírito é ser uma vida vivida na presença de Deus.
O preenchimento do Espírito Santo não está confinado a uma experiência única na conversão ou apenas um encontro dramático e singular ocorrendo mais tarde na vida cristã. O preenchimento de o Espírito é  um encontro de uma só vez e um processo, uma experiência contínua: às vezes descrito como um batismo e muitos enchimentos.
O enchimento do Espírito deve ser de momento a momento, deve ser uma experiência constante, é a presença consciente de Cristo. "Sendo constantemente cheio", com o Espírito Santo é a liberdade para desfrutar de Cristo e sua presença em um andar diário abençoado, minuto após minuto, vinte quatro horas por dia.
 O enchimento do Espírito é descrito pelo apóstolo Paulo como uma “caminhada diária”no Espírito ”ou“ manter em sintonia constante  com o Espírito ” (Gl  5:25 ). O Senhor deseja algo melhor para nós; um contínuo permanecer no Espírito de Cristo (Rom. 8: 9 ) como nós realizar as tarefas diárias da vida.
A promessa do Espírito não é para cristãos grandes ou excepcionais, mas para qualquer cristão, mesmo os mais simples, a ordem é para que todos e experimenta quem se entrega a Deus. Paulo escrevendo aos Efésios,  encorajou todos a viver uma vida espiritual  completamente plena,  cheia  do Espírito Santo divino, cheio do Espírito Santo desde dentro, até o transbordamento espiritual.
 Este mandamento: O de ser cheio  do Espírito Santo,  é valido para todos os cristãos, não somente para os cristãos da igreja de Efeso,  mas para todos os cristãos de todas as eras, desde a igreja do primeiro século até os cristãos de hoje
HCG Moule citado em Sua habitação vitoriosa Ed Harrison (Grand Rapids,MI: Zondervan, 1998). Tradução e Adaptação para o Português: C.J. Jacinto


O ENGANO COMO JUÍZO DIVINO




Muitas vezes o engano  vem com a permissão divina para trazer juízo a uma geração Incrédula. O engano espiritual em muitas passagens do Antigo Testamento está associado a julgamento. Com relação a Saul está escrito:  “Porem o espírito mau da parte do Senhor se tornou sobre Saul, estando ele assentado em sua casa...”(I Samuel 19:9). A epoca de Acabe era caracterizada por grande apostasia e falsos profetas.  Micaías era um profeta do Senhor, na presença de Acabe e Josafá, Micaías conta uma magnífica  visão “Vi o Senhor assentado sobre o seu trono, e todo o exercito do céu estava junto a ele”(I Reis 22:19) essa era a visão de Micaías, e então o profeta prossegue ouvindo o Senhor dialogar com esse exercito celeste: “E disse o Senhor, quem induzirá Acabe, para que suba e caia em Ramote de Gileade?”(I Reis 19:20) após ouvir varias respostas, um espírito se apresentou diante do Senhor  “E então saiu um espírito, e se apresentou diante do Senhor, e disse: Eu o induzirei, e o Senhor lhe disse: Com que? E disse ele: Eu sairei e serei um espírito de mentira na boca de todos os seus profetas.” (I Reis 22:21 e 22, Podemos ver essa história também em II Crônicas 18:21 e 22)  O engano espiritual pode ser uma influencia permitida por Deus para castigar os ímpios que rejeitam deliberadamente as verdades divinas. Deus permite muitas vezes que o engano predomine sobre corações que rejeitem completamente e de forma insistente a Sua vontade. Essa é uma forma de juízo terrível. Tal juízo cairá sobre os incrédulos nos últimos dias, Paulo escreveu: “A esse cuja vinda é segundo a eficácia de Satanás, com todo o poder, e sinais e prodígios de mentira. E com todo o engano da injustiça para os que perecem, porque não receberam o amor da verdade para se salvarem, E por isso Deus lhes enviará a operação do erro, para que creiam na mentira: para que sejam julgados todos os que não creram a verdade, antes tiveram prazer na iniqüidade”(II Tessalonicenses 2:9 a 12). Quando uma geração começa a rejeitar o evangelho e abraçar o relativismo e a permissividade, quando se envolve com ocultismo e com a idolatria, quando começa a financiar falsos profetas e promover  a síntese de todas as religiões pagãs para promover uma unidade ecumênica, então esse é o caminho do engano permissivo.  Esse terrível engano se encontra presente hoje no mundo, e a sua influencia espiritual tem contaminado até mesmo a cristandade, quando muitas igrejas abrem as portas para toda sorte de superstições,uma  ênfase doentia ao sobrenatural, adota praticas e crendices da nova  era e do misticismo medieval  ou oriental.  Devemos ficar atentos a esses sinais dos últimos dias, e buscar discernimento bíblico para permanecermos seguros nesses tempos de apostasia e grande enganação espiritual.

Clavio J. Jacinto

Pequena Fé, Grande Fé e Falsa Fé




Pelo menos durante cinco vezes, Cristo se dirigiu aos discípulos e os chamou de homens de pequena fé (Mateus 6:30, 8:26, 14:31 16:8 e Lucas 12:28). Traço característica de pessoas que estavam dentro do convívio diário com o Senhor e de alguma forma, estavam  ligados pelo fio condutor de um bom relacionamento.  Ser chamado de “homem de pequena fé”, mesmo diante da presença daquele que era o Verbo que se fez carne, é de fato uma péssima classificação, pois revela a natureza Arida das incertezas de seus seguidores, que mesmo presenciando coisas espantosas, não somente em termos doutrinários, mas também práticos, pareciam sucumbir ao lamaçal da desconfiança.  O que chama a atenção, porém, é que uma historia dentro das Escrituras, narra a epopéia espiritual de uma estrangeira e pagã, uma mulher Cananéia,  que de certo modo, mesmo que a intenção de Cristo não seja ofensiva, tratou-a de modo a classificá-la como “Cachorrinhos”.  Sei que mesmo dentro de todo o contexto do Novo Testamento, Cristo nunca usou de preconceito, e de certa forma, foi o jardineiro que se voltou mais para a floresta das nações do que para o Jardim judaico, embora tenha crescido nos campos de Jerusalém. Jesus disse para a mulher Cananéia: “Grande é a tua fé”(Mateus 15:28). Enquanto que há gente chegada ao mestre, que é de pequena fé, uma estrangeira que pouco se relaciona com Cristo  é chamada de “mulher de uma grande fé”.  Isso não é maravilhoso?  Não se engane, há pelo menos três tipos de vida espiritual no Novo Testamento, o primeiro são os de pequena fé. Gente dúbia, superficial, que mesmo diante da possibilidade de mostrar muito amor e muita confiança, mergulha na ansiedade e nas preocupações da vida, teme o futuro e tem testemunho fraco, desconfia das próprias convicções e é tardio para crescer na vida espiritual. Há os de grande fé, que mesmo diante de uma situação difícil, ainda que passando por momentos de crises, onde os centos controversiais sopram querendo derrubar as quatro paredes da vida, ainda sim está na áurea paz de uma atmosfera celeste, porque sabe que está próximo ao Deus Soberano e coloca na grandeza de Deus a sua pequena e fraca confiança, e ela cresce, porque em assuntos espirituais, é o Senhor que dá o crescimento. Agora me deixe falar sobre outro nível, e é este: “Acaso quando vier o filho do homem se achará fé na terra? (Lucas 18:8) É a pior de todas as condições. Quando a fé verdadeira é substituída por uma falsificada, Pois daí vem a falsa esperança e o falso evangelho. E creio que no contexto profético, as paixões desse mundo e o conforto e o materialismo convidam sempre os cristãos para devotarem-se até a alma ao mais terrível de todos os ídolos que é Mamom. A apostasia semeia falsos conceitos espirituais e produzem uma falsa fé, que é praticamente nula aos olhos de Deus, e esses ventos dos mais crassos erros vem semeando as mais nefastas distorções a respeito da fé, banindo completamente o seu verdadeiro significado bíblico do coração humano. E nós estamos inseridos nesse campo minado, nesse fogo cruzado contra a sã doutrina e a ortodoxia. Sejamos vigilantes, pois os dias são confusos.

Clavio J. Jacinto

CEGO GUIANDO CEGO (Lucas 6:39)




A máxima de Cristo “quando um cego guia outro cego, ambos caem na cova” merece toda a nossa atenção.  Contem na alma da inteligência, o mais perspicaz de todos os provérbios e ditos sábios. É uma declaração irônica, digna de envergonhar o homem bobo, brincando de religião e impondo  sua própria alma ao desastre de todas as danações. Um cego guiando um cego!. Que espetáculo de profanações do sagrado e que insulto a santa inteligência! O primeiro cego, que serve de guia, é um impostor. Como alguém ousa sendo cego, ajudar outro cego a achar um caminho que ele não sabe? E sejamos sensatos! Paulo fala da cegueira do entendimento (II Coríntios 11:14), e isso significa que mesmo que alguém tenha uma visão natural, é completamente cego á realidade espiritual. Certamente esse é o pior cego, pois que guiando uma alma ainda mais insensata, que sendo também cega, entrega os cuidados de conduzir sua alma por outro cego, é um ato completamente ultrajante para a mais pura sabedoria. Portanto temos dois cegos, que numa marcha de loucuras, seguem rumo ao abismo, ostentando orgulho e segurança falsa. O cego que guia e o cego que é guiado, dois meros fantoches no espetáculo da imprudência. Assim são esses que confiam suas almas, aos homens sem a verdade do evangelho. Vestem-se da fantasia de uma religião com certas ilustrações cristãs, e então enganam. Eles querem seguidores. Nesse palco de ilusões religiosas chamado de igreja pós cristã, vimos homens cegos seguindo cegos. Uma marcha mortal, o abismo tem fome dessa gente imprudente. Confiaria você a sua alma ao líder que não conhece a bíblia, não sabe nada sobre a redenção, não consegue explicar as doutrinas fundamentais do evangelho? Pois muitos fazem isso. Confiam o destino eterno aos que nunca entraram pela porta estreita, confiam a direção da eternidade aos que nunca caminharam pelo caminho estreito. Cego guiando cego.  Entenda, que quando você confia sem verificar os fatos, quando você não confere pela bussola di evangelho, sim quando você não abre o mapa do céu que é a bíblia e não confere se a direção está correta, você é um candidato potencial para ser um cego guiado por outro cego. Quando a sua “verdade” é a soma de tudo o que aprendeu ouvindo de gente que você nem sabe se conhece as escrituras, não sabe nem mesmo explicar o que é a salvação pela graça, se esquiva até mesmo de pregar sobre o caminho estreito, e omite-se de falar do escândalo da cruz, cuidado! Você está a beira do abismo. Agora preste atenção, porque o cego que foi guiado por outro cego, não será vitima inocente. O credito que se dá a pessoa errada, é fatal.  Não haverá desculpas e nem protestos, tipo “Fui enganado” ou “fui iludido” se você seguir o cego, você chegará ao destino que ele te levar.  Quando um cego espiritual confia seu destino eterno a outro cego espiritual, a conseqüência será ambos encontrarem um abismo. Acenda a lâmpada da Escritura (Salmos 119:105), e abandone o caminho do abismo eterno...

Clavio J. Jacinto

Responsabilidade e Intercessão


Basilea Schlink certa vez escreveu que "Pela oração, podemos transformar tudo, homens, coisas necessidades e situações" essas declarações são verdadeiras. Se queremos mudanças, precisamos orar. Somos chamados a interceder, mas o que é intercessão? Segundo o conceito de O. S. Boyer, interceder é intervir em favor de alguém. Isso é uma responsabilidade, uma atividade que precisa ser exercida, pois a intercessão pode trazer livramento, proteção e benção ao nosso próximo. Somos convocados a interceder pelos governos, por todas as autoridades constituídas e por todos os homens. A começar por nossa família e nossa comunidade, nossa igreja, nossa cidade, estado e nação. A intercessão é uma atividade comum para o verdadeiro cristão. Ele está ciente dessa responsabilidade e está envolvido numa vida de oração pelo seu semelhante. Todo o homem piedoso é compassivo, e todo homem compassivo é intercessor. Assim como o Espirito Santo intercede por nós, devemos também interceder pelos outros. Nisso notamos a importância da intercessão diária, pois através dela, muitas vida vidas a nossa volta serão abençoadas por nossas orações sinceras, que elevamos até o trono da graça, a favor de nossos semelhantes.
Clavio J. Jacinto

PORTO DAS ANCORAS.

PORTO DAS ANCORAS.
Sonhei que batia na porta do amor, buscando consolação. Quando a porta se abriu, vi meu coração lá dentro ferido. Em farpas e magoas e um grito flutuante, a agonia de angustias, tal como a escuridão presa nas correntes da noite sem estrelas. Um mar de "ais' e um martelo que quebrava todos os silêncios. Das laminas do arco da suave mão tão delicada, que de caridade arrancava minhas dores de alma abatida, vi meu coração sendo curado. Depois de ventos e ondas, foi chegando a primavera aos meus olhos, onde os perfumes da esperança acariciavam minhas cicatrizes. Quando despertei do sonho, vi as luzes das estrelas acesas, e dentro de mim, a paz que da aurora, ouvia o brado da luz, que no porto
do novo dia, ancorava, trazendo todas as esperanças que tinham ido embora, na tarde de ontem....
(Clavio J. Jacinto)

EM CERTAS COISAS; INTRANSIGENTES. A.W. Tozer


EM CERTAS COISAS; INTRANSIGENTES.
A.W. Tozer


O neo-cristianismo está adotando um novo decálogo que começa assim: “não discordeis em ponto algum”, e uma nova serie de bem aventuranças, também que começa com o seguinte: “Bem aventurado aqueles que toleram tudo, porque por nada serão responsáveis”. Agora considera-se normal discutirem-se diferenças de religião em publico subentendendo-se que ninguém tentará convencer o outro dos seus erros, ou converte-lo ás suas idéias. O propósito destas conversas não é apresentar a verdade, mas descobrir como pensam os seguidores de outras religiões, e assim tirar, algum proveito dos seus pontos de vista, como esperamos que eles farão do nossos.
É bem verdade que as pessoas concordam em discordar somente sobre assuntos que consideram de pouca importância. Nenhum homem é tolerante quando a sua vida ou a vida de um filho estão em jogo, e ninguém poderá transigir em assuntos religiosos que considera vitais ao seu bem estar eterno. Imaginemos Moisés concordando em fazer uma mesa redonda com os israelitas para discutirem o problema do bezerro de ouro, ou Elias ocupado em conversa gentil com os profetas de Baal. Tentemos imaginar Cristo procurando uma reunião com os fariseus para estudarem as suas diferenças, ou Anastácio procurando esquecer suas diferenças com Arius a fim de encontrarem união em nível mais elevado; ou Lutero procurando humildemente a presença do papa em nome de uma união cristã maior.. As bênçãos de Deus são prometidas ao pacificador, mas que se cuide o religioso transigente. A habilidade de resolver disputas entre membros da família de Deus é um verdadeiro dom celestial que deve ser cultivado. Aquele que sabe com discernimento reconciliar amigos separados, através da oração e apelando para as Escrituras vale o seu peso em ouro.
Isto é uma coisa, mas a tentativa de chegar a união ás custas da verdade e da justiça é outra completamente diferente. Procurar a amizade daqueles que não  querem ser amigos de Cristo é trair o nosso Senhor. As trevas e a luz nunca poderão reconciliar-se. Em certas coisas devemos ser intransigentes.
*********************************
Tradução: Agnes Maxwell Penna
Extraído de : A Senda do Cristão. Numero e data desconhecidos

PEDRAS...


A VERDADE OFENDE...


Jardim do Coração


O Jogo da Vida


Cristo Centro


Lampada


Murmuração


Lições da Vida


Herege...


Imprudencia


Temor


sexta-feira, 13 de julho de 2018

A BIBLIA É SUFICIENTE.


Um cristão comprometido com a verdade, nunca irá diminuir o valor da verdade revelada nas Escrituras. Elas são absolutas e eternas (Salmos 100:5) Cristo mesmo declara ser a Palavra de Deus a verdade que santifica (João 17:17) a bíblia foi escrita para o nosso ensino (Romanos 15:4) é completamente útil, suficiente e eficiente (II Timóteo 3;16 e 17). Nunca devemos diminuir a importância do conhecimento pratico e profético das Escrituras. Estudando a vida de Cristo nos evangelhos, descobrimos o quanto Jesus aplicava as Escrituras do Antigo Testamento em sua própria vida. Todo o seu viver e agir estava orientado pelas Escrituras. A importância que Cristo aplicava sobre elas era fundamental . Assim Cristo viveu, dando toda a importância a Palavra inspirada do Antigo Testamento. Infelizmente, muitos cristãos hoje, não aceitam viver dentro dos domínios da suficiência das Escrituras, procuram algo a mais, rejeitam os apócrifos mas aceitam as adições posteriores frutos de novas revelações, não seria tal atitude uma incoerência? Isso é uma verdadeira contradição. Que as palavras do grande pregador e teólogo Jonathan Edwards ecoem como uma trombeta diante desse mundo confuso aberto para revelações extra-bíblicas: “ E, no entanto, algumas pessoas realmente imaginam que a revelação na Palavra de Deus não é suficiente para atender às nossas necessidades. Eles pensam que Deus, de vez em quando, conversa com eles, conversando com eles, satisfazendo suas dúvidas, testemunhando seu amor por eles, prometendo-lhes apoio e bênçãos. Como resultado, suas emoções aumentam; eles estão cheios de alegria borbulhante que é misturada com autoconfiança e uma alta opinião de si mesmos. A base para esses sentimentos, no entanto, não está dentro da própria Bíblia, mas repousa nas súbitas criações de sua imaginação. Essas pessoas estão claramente iludidas. A Palavra de Deus é para todos nós e para cada um de nós; Ele não precisa dar mensagens particulares a pessoas específicas. "
Clavio J. Jacinto

O Homem Regenerado

Uma das características singulares do homem regenerado é o seu amor e a sua busca constante pelas coisas verdadeiras. O seu mover é sempre em direção as verdades das Escrituras. Ele ama a Bíblia e tem uma paixão intensa pela pregação expositiva e doutrinaria, ele sabe que é amando a verdade, que sua espiritualidade estará crescendo mais em firmeza e essência. Estes são sinais vitais de um homem que nasceu de novo. Como disse Thimothy Tow: "Se você é receptivo a pregação da verdade, você tem o Espirito da verdade, se você rejeita a pregação da verdade, você tem o espirito do erro". Este é um aspecto positivo no homem espiritual que teve uma conversão autentica.
"Porque os que são segundo a carne, inclinam-se para as coisas da carne; mas os que são segundo o Espirito para as coisas do Espirito" (Romanos 8:5)
Clavio J. Jacinto

Apocrifos e Acrescimos

Talvez você tenha ouvido muito o "Assim diz o Senhor" fora das Escrituras. E, na verdade precisa perceber que fora das Escrituras, a nova revelação do "Assim diz o Senhor" é apenas um acréscimo tão perigoso que torna-se impossível colocá-lo dentro das Escrituras inspiradas, sem que o resultado final não seja uma bíblia adulterada. (Clavio J. Jacinto)

Daniel e o Mundo que Jaz no Maligno


O caso aconteceu Quando Daniel tinha 15 anos, Nabucodonosor levou cativo os jovens mais excelentes e Daniel estava agora num ambiente de trevas espirituais, a esfera espiritual era completamente oposta a cosmovisão de Daniel: A Babilônia. Berço do espiritualismo, lugar de extrema idolatria, morada de demônios. havia mais de 20 mil deuses que eram cultuados ali, também predominava o ocultismo e a feitiçaria, um lugar inseguro para um crente fiel, o espirito da época prevalecia ali, Babilônia é o simbolo de um mundo arrogante que jaz completamente no maligno. Esse era o ambiente em que Daniel ia passar toda a sua juventude. No meio das mais intensas trevas,ali, o brilho da sua fé não se apagou. As dificuldades não serviam de obstáculos para a fidelidade ao Senhor e nem mesmo foram desculpas para a apostasia. Num lugar de extrema periculosidade e degeneração espiritual,um vale sombrio para um crente fiel, ali estava Daniel olhando para as oportunidades num mundo contrario as suas convicções espirituais. E as oportunidades eram centradas num só objetivo: promover a causa do Senhor. Você entende isso? uma geração frágil e superficial como a nossa não atenta para o ambiente contrario, infestado de trevas e demônios como era a Babilônia, nunca impediram que Daniel e seus amigos fossem fiéis. O brilho da fé se tornou mais intenso quando Daniel estava em meio as trevas daquele ambiente ocultista. Nossa geração tem falhado exatamente nesse particular. Queremos nos adaptar ao mundo babilônico, reajustar tudo de acordo com os valores do secularismo vigente para sermos aceitos por ele. Portanto os manjares não são rejeitados. A maioria se prostra diante dos ídolos erguidos na sociedade secular, nosso ambiente religioso está infestado de veneno babilônico. A cristandade atual tenta amoldar tudo de acordo com o espirito da época e se contamina com os valores invertidos da Babilônia. Não queremos que nosso estilo de vida espiritual seja uma afronta aos olhos incrédulos. Também queremos ter paz com o sistema mundano, então vamos compactuar com esse sistema, e, com relação aos magos e feiticeiros, a imitação parece mais conveniente que a oposição. Daniel não fez ajuste em seus pontos de vistas, mesmo correndo os riscos, manteve-se fiel aos princípios espirituais. Ele tinha voto firme de fidelidade, havia nele essência e não superficialidade, havia firmeza e convicções fortes, compromisso sério com a verdade, e foram essas caraterísticas que o tornou forte e inabalável perante as mais extremas adversidades de um mundo caído e pecaminoso. Enfim, a vida espiritual de Daniel continha verdades inegociáveis, e isso o manteve forte e fiel até o fim. Deus está ao lado sempre do homem que rejeita o espirito da época, você faz parte desse pequeno rebanho remanescente?
Clavio J. Jacinto

Crescimento Espiritual


CRESCIMENTO ESPIRITUAL
Da infância espiritual até a medida da estatura completa de Cristo
C. J. Jacinto


A  vida cristã começa com o novo nascimento, Jesus Cristo falou sobre isso em João 3:3 a 6, é uma doutrina bíblica importante a crença de que ao arrepender-se e converter-se dos seus pecados, o pecador é regenerado e nasce de novo. Assim um novo convertido é uma criança no âmbito espiritual que precisa crescer, até tornar-se maduro. A doutrina da maturidade espiritual é a abordagem desse estudo. (Leia II Coríntios 5:17)
O autor aos Hebreus,  fala sobre o problema dos cristãos judeus que ainda eram imaturos, ele aborda esse assunto e explica que os judeus em que esta carta foi endereçada, deviam ser mestres devido ao tempo de fé, mas ainda precisavam de leite e não de alimento solido. O  leite espiritual é para meninos na fé e o alimento solido para os perfeitos, que tem os sentidos exercitados para discernir tanto o bem como o mal (Leia Hebreus 5:12 a 14)
Da mesma forma encontramos os Corintos como meros meninos carnais e não adultos espirituais, Paulo escreveu: “E eu, irmãos, não vos pude falar como a espirituais, mas como a carnais, como a meninos em Cristo”(I Coríntios 3:1) Todo o cristão precisa crescer, na graça e no conhecimento (II Pedro 3:18) na medida da estatura completa de Cristo (Efésios 4:13) Pedro escreveu: “Desejai afetuosamente, como meninos novamente nascidos, o leite racional, não falsificado, para que por ele vades crescendo”(I Pedro 2:1) A vida  normal de um cristão é crescer, e tornar-se maduro. A maturidade espiritual deve ser o alvo de todo o cristão. Infelizmente muitos não alcançam essa maturidade, ficam estagnados na vida espiritual, causando problemas e vivendo debaixo de uma vida espiritual imatura. Há vários sintomas de alguém que professou a fé cristã, mas mantém debaixo de uma natureza espiritual subdesenvolvida, é na descrição bíblica, um menino. A confissão de Paulo serve muito bem para esse assunto: “Quando eu era menino, falava como menino, sentia como menino, discorria como menino, mas logo que cheguei a ser homem, acabei com as coisas de menino”(I Coríntios 13:11)  Na vida cristã, devemos começar como meninos, essa é a ordem natural, mas devemos alcançar um estagio de vida espiritual mais elevada: a maturidade cristã, um nível de vida que nos permite ter discernimento espiritual, prudência, coerência, responsabilidade, humildade, paciência, conhecimento, graça, sabedoria  e o mais importante, ser parecido com Cristo (Romanos 8:29)

Diagnosticando casos de Imaturidade
 É um problema sério quando cristãos não crescem espiritualmente, a igreja de Corinto era uma igreja espiritualmente infantil, o resultado disso era a desordem, divisões, disputas e uma serie de confusão. Um cristão imaturo é um “homem de palha” ele pode ser enganado facilmente por falsos profetas e é levado por todo o vento de doutrina (Efesios 4:14).  O cristão maduro é firme, mas o cristão imaturo não tem equilíbrio espiritual. Não consegue discernir e acima de tudo, não tem condições de receber alimento solido.  Enquanto que um cristão que tem um nível elevado de maturidade consegue ouvir sermões com duras exortações, o imaturo não! Ele não pode suportar conhecimento espiritual mais profundo (Veja João 16:12)   Outro sinal é com relação ao conhecimento avançado das doutrinas cristãs, as escrituras ensinam que a vereda dos justos é como a luz da aurora que vai brilhando mais e mais até ser dia perfeito (Provérbios 4:18) ou seja, o conhecimento bíblico e a pratica da vida cristã crescem até a maturidade, quanto mais luz, mais discernimento, e o discernimento espiritual vem através do estudo da Palavra de Deus (Salmos 119:105) precisamos entender e praticar as doutrinas fundamentais do evangelho, um conhecimento amplo e pratico das doutrinas bíblicas conduzirá o cristão para níveis cada vez mais alto de maturidade (leia Tiago 1:21)
Alguns sinais de imaturidade podem ser observados em passagens que tratam sobre esse assunto, Pedro primeiro ensina o que devemos deixar: A malicia, todo engano, fingimentos, invejas e todas as murmurações. E depois devemos desejar afetuosamente, o leite racional não falsificado, para que por ele vades crescendo (I Pedro 2:1 e 2) Note que Pedro fala sobre o leite racional não falsificado. Aqui está algo importante, as Escrituras e não a psicologia, doutrinas bíblicas e não mensagens de auto-estima, o leite racional não falsificado é a sã doutrina, o leite falsificado são as teorias e as idéias dos homens, heresias e tudo o ensino espiritual  que não tem o respaldo bíblico. Paulo enumera certos aspectos do leite falsificado em Colossenses 2:8 advertindo que não sejamos enganados por fabulas e vãs filosofias. A abordagem de Paulo aos coríntios é que eles eram imaturos porque andavam segundo os homens, havia entre eles invejas contendas e dissensões, estavam promovendo grupinhos dentro da congregação, e estavam divididos com relação ao centro das atenções na igreja, ao invés de Cristo, estavam inclinados a venerar homens.
Somos chamados a crescer no conhecimento de Deus (Colossenses 1:10) e só conheceremos Ele quando conhecermos as Escrituras que contém tudo o que precisamos saber sobre esse assunto.  Maturidade significa chegar próximo a medida da estatura completa de Cristo (Efésios 4:13) é prosseguir para o alvo (Filipenses 3:14) Assim andai para que possas progredir cada vez mais (I Tessalonicenses 4:1) Somos convocados a abandonar a imundície da carne e do espírito, aperfeiçoando a santificação no temor do Senhor (II Coríntios 7:1) Como pois recebestes ao Senhor Jesus Cristo, assim também andai nele”(Colossenses 2:6)
Passos Para Crescer Espiritualmente
1 - O cultivo de uma vida devocional é fundamental para o crescimento espiritual, estabeleça tempo para orar, estudar as Escrituras com muito cuidado e reverencia ler bons livros e ter comunhão permanente com Deus.
2 - Freqüentar uma igreja bíblica e ter comunhão com outros irmãos
3 - Deve prestar atenção nas mensagens e nos estudos bíblicos (Leia: Hebreus 2:1 a 3) e deve colocar em pratica tudo o que  aprende. (Leia: Tiago 1:22)
4 -  Manter uma comunhão permanente com pessoas piedosas e tementes a Deus
5 – Refletir sobre a brevidade da vida e manter sob controle as oportunidades de cada dia para saber aproveitá-las.
6 – Ter uma visão bíblica do pecado e manter-se vigilante com relação as tentações
7 – Confiar e meditar muito sobre a graça e a misericórdia de Deus
8 - Cultivar pensamentos sagrados em todos os momentos da vida
9 – Deve opor-se  contra espécie de  mundanismo
10 – fazer uma auto confrontação periódica usando os ensinos das Escrituras, para aperfeiçoar a vida espiritual nos pontos mais fracos
As principais passagens devem ser estudadas periodicamente, seus princípios espirituais devem ser memorizados e aplicados em profundidade na nossa vida, pois possuem exortações e orientações fundamentais que ajudam no crescimento espiritual.
Romanos 12, Mateus 5, 6 e 7,  Efésios 6:10 a 18,  Colossenses 1:9 a 14, Romanos 8, Colossenses 3:1 a 17,  I Tessalonicenses 5:12 a 24, Tito 2, I João 3,   II Pedro 1: 5 a 21, Hebreus 11 e Tiago 1: 21 a 17.

Com relação a vida cristã gostaria de dar uma ênfase especial sobre três aspectos indispensáveis na vida daqueles que desejam crescer espiritualmente
Primeiro: Deve ouvir e guardar a Palavra de Deus (II Timóteo 3:16 com Hebreus 2:1 a 4)
Segundo: Deve cumprir e praticar a Palavra de Deus (Tiago 1:22 com I João 2:3 e 4)
Terceiro : Deve meditar e estudar todos os dias, a Palavra de Deus (I Timóteo 4:16 e Salmo 1)
Alguns exemplos de maturidade e firmeza

José e sua vida de aflições e provações - Genesis 37 a 50
Os Três amigos de Daniel e a fidelidade - Daniel 3
Jó adora em meio a fogo cruzado das mais duras provações   Jó 1
A vida de Cristo nos quatro evangelhos

Alguns exemplos de imaturidade

Is membros da igreja de Corinto  - I Coríntios 3
Roboão, não ouviu o conselho dos anciãos  I Reis 12
Geazi foi atrás dos presentes de Naamã -  II Reis 5
Saul vendeu sua primogenitura por um prato de lentilhas- Genesis 25



PARTE II
Esse é um momento de auto-confrontação, a lista abaixo não é exaustiva, mas é suficiente para dar um diagnostico sobre a condição espiritual de um cristão.
40 SINAIS DE UM CRISTÃO MADURO
1-      Possui a requerida dignidade de porte
2-      Aceita boa sugestão dos outros
3-      Sua paciência é bem resistente
4-      Mantém domínio próprio quanto está sob tensão
5-      Procura sempre conselho competente
6-      Fala e age com muita segurança
7-      É plenamente responsável em suas tarefas
8-      Possui iniciativa própria competente
9-      Adapta-se as condições necessárias para o bem comum de todos
10-   Usa juízo calmo e tranqüilo no desempenho de suas atividades
11-   Tem a credibilidade de das pessoas mais sabias
12-   Tem senso de humor
13-   É conciso e claro na comunicação da verdade
14-   Sua  presença e ação cria uma aparência favorável
15-   Inspira e mantêm moral elevada em situações extremas e conflitantes
16-   É  consciente das situações complicadas e procura refletir sobre os problemas
17-   Possui lealdade na amizade e a sua liderança
18-   Não abre concessões sob pretexto de benefícios pessoais.
19-   É alerta quando as condições são precárias e perigosas
20-   Consegue manter sob controle o essencial de uma situação
21-   Tem opiniões lógicas e coerentes.
22-   É exigente consigo mesmo
23-   É prudente no modo de agir e falar, principalmente em situações  conflitantes
24-   Permanece calmo sob provocações
25-   É exato em relatar os fatos sobre qualquer situação
26-   Sabe tomar uma decisão precisa em situações emergentes
27-   Reconhece os erros de sua responsabilidade
28-   É lógico quando apresenta suas idéias
29-   É ciente dos limites de sua capacidade
30-   Inspira confiança quando narra acontecimento ou conhecimento
31-   Estuda as circunstancias antes de agir
32-   Aceita ordens coerentes, que correspondem ao caso envolvido.
33-   Envolve suas atividades com otimismo
34-   É persistente em terminar o que começou
35-   Possui a habilidade de traduzir conhecimento em ação
36-   Leva a cabo uma tarefa árdua, ainda que as condições sejam precárias
37-   Cultiva a auto-disciplina
38-     É exemplo em cooperar dentro dos limites de seus recursos
39-   Seus hábitos pessoais estão acima da censura
40-   É  referencia em ser um exemplo de humildade.


(Parte dessas características foram extraídas do livro: Colunas do Caráter de S. Julio Schvantes- CPB)
TRINTA SINAIS DE UMA PESSOA ESPIRITUALMENTE IMATURA
1-      Exige mais dos outros do que de si mesmo.
2-      É  rápido em achar falhas nos outros, mas omite-se  reconhecer as próprias.
3-      Sente-se ofendido por qualquer coisa.
4-      Age mais por sentimentos do que pela lógica.
5-      Culpa os outros de seus problemas ao invés de aprender com eles.
6-      Combate coisa erradas com métodos errados, tipo: tentar apagar fogo com fogo.
7-      Vive em mundo narcisista, tudo precisa ficar focado em seus próprios sentimentos.
8-      Não assume com responsabilidade e paixão as tarefas sob suas responsabilidades.
9-      Não assumem seus erros e não reconhecem quaisquer responsabilidades pessoais por problemas que envolvem a si mesmos.
10-   Tem seus impulsos descontrolados e a agressão é uma resposta imediata.
11-   Sem noção das conseqüências de seus atos
12-   Não tem idéia de como as palavras podem afetar as pessoas.
13-   Age de modo a provocar os outros com fins pessoais egoístas.
14-   Não se auto-promove promovendo a inferioridade alheia.
15-   Enverga a correção como ofensa.
16-   É intrometido com assuntos que não lhes pertence
17-   Tenta exaltar-se a si mesmo
18-   Quer causar impressão através de falsa sabedoria (tenta discutir sobre coisas que não sabe)
19-   É indiferente aos sentimentos alheios
20-   Desejo de ter o que não se pode ter.
21-   Enxerga o mundo de forma dualista, preto e branco, os que são favoráveis aos interesses pessoais  e os  que são contra.
22-   Nutrem uma covardia por trás de falsa bravura, querem rugir como leão, mas o coração esconde a alma de um gato.
23-   Tende a ser levado pela opinião dos outros e as toma como se fosse dele mesmo, sem tomar os devidos cuidados para saber se são ou não verdadeiras.
24-   É imediatista e não se interessa por benefícios a longo prazo
25-   Percebe as conseqüências tarde demais, por  não teve a capacidade de evitar os problemas causados por decisões erradas
26-   Define as coisas pelas aparências e não pelos valores.
27-   Sua felicidade depende das suas vantagens pessoais.
28-   As dificuldades são forças que distanciam de Deus ao invés de serem forças que levam para mais próximo de Deus.
29-   Deseja impressionar os outros sustentando uma falsa identidade.
30-   Orienta-se mais pelos sentimentos do que pela Palavra De Deus.
(Elaborado e organizado por C. J. Jacinto)



Footer Left Content